Prodi deve ganhar voto de confiança com tranqüilidade

O primeiro-ministro da Itália, Romano Prodi, encara nesta quarta-feira, 27, a votação para obter a confiança do Senado com relativa tranqüilidade, tendo a certeza de 158 votos, contra 157 da oposição, sem levar em conta os senadores vitalícios.O Senado italiano, segundo jornal local, dá uma maioria de 162 votos para Prodi, somando os 156 de sua coalizão de centro-esquerda, o do independente Luigi Pallaro, eleito nas listas dos italianos residentes na América do Sul, o do dissidente Marco Follini e mais quatro senadores vitalícios.A votação será nesta quarta-feira, 27, às 20h30 (16h30 de Brasília), precisando de um quórum de 161 votos.Ao reivindicar ontem o voto de confiança, Prodi prometeu reformar a lei eleitoral, que na sua opinião é a causa das crises institucionais italianas. Mas evitou falar dos assuntos que criam mais polêmica na sua coalizão."O discurso foi pouco aplaudido pela esquerda e pouco contestado pela direita", analisa o jornal La Repubblica. O Corriere della Sera diz que Prodi "deu ontem no Senado um formidável teste de oratória democrata-cristã".Prodi não mencionou a lei que regulamenta os direitos dos casais de fato na Itália, ainda pendente de aprovação no Parlamento, mas falou de fomentar normas que protejam "a família e a natalidade". Assim procurou não ofender as sensibilidades da ala direita da coalizão.No entanto, ele sustentou que manterá a presença da Itália no Afeganistão e a sua política externa em geral, causa do voto contra do Executivo de dois senadores comunistas, na semana passada, com a posterior crise de governo.Para tentar contentar a esquerda, o chefe do governo destacou o caráter pacífico da missão no Afeganistão.Prodi deverá obter na quarta-feira a confiança no Senado, mas seu governo continuará sendo muito frágil. Na sexta-feira, 02, a votação de confiança será no Congresso, onde Prodi não terá problemas, por contar com a maioria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.