Prodi mostra satisfação pela detenção de Battisti no Brasil

O primeiro-ministro da Itália, Romano Prodi, expressou neste domingo, 18, sua "satisfação pela brilhante operação" que permitiu a detenção no Brasil do ex-militante de extrema esquerda Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália e foragido da Justiça francesa desde 2004.Prodi pediu ao titular de Interior da Itália, Giuliano Amato, que transmitisse suas felicitações "às forças da ordem italianas, que, com as brasileiras e francesas", realizaram a operação que levou à detenção de Battisti, segundo um comunicado do governo.O ministro da Justiça italiano, Clemente Mastella, desejou que "os procedimentos de extradição possam levar ao retorno de Battisti à Itália em breve".Battisti, de 52 anos, foi capturado inicialmente em 1979 e logo sentenciado à prisão perpétua pelos quatro assassinatos e diversos roubos que cometeu como parte de suas atividades com um grupo de esquerda vinculado às Brigadas Vermelhas. Ele escapou da prisão em 1981 e fugiu para o México, onde viveu até que se mudou para a França no começo da década de 90. Lá, arrumou um emprego com porteiro e começou a escrever novelas de suspense. Foragido da Itália, Battisti foi descoberto residindo na França, de onde teria fugido para o Brasil, em 2004, tão logo o governo italiano solicitou à justiça francesa a sua extradição. Na época, intelectuais franceses e de outros países defenderam sua permanência em território francês.Irene Terrel, uma das advogadas francesas que defenderam Battisti, disse "estar arrasada" com a notícia de sua prisão, mas não quis fazer mais comentários antes de "conhecer mais detalhes".Terrel, junto com Jean-Jacques De Felice, foi uma das advogadas históricas de refugiados italianos na França. PrioridadeO ex-terrorista foi detido por ordem do Supremo Tribunal Federal brasileiro em resposta a um pedido de extradição do governo italiano, segundo informa a polícia brasileira.Em paralelo, existe um mandato de prisão internacional emitido em agosto de 2004 pela Corte de Apelação de Paris. Cabe portanto à justiça brasileira avaliar se deseja autorizar a extradição de Battisti para a Itália.Fontes policiais francesas disseram neste domingo que a demanda de extradição da Itália sobre Battisti tem prioridade sobre a da França.Citadas pela emissora France Info, as fontes afirmaram que a razão dessa prioridade é que a ordem de detenção internacional emitida pela Itália é para que Battisti cumpra a prisão perpétua à qual foi condenado em 1993. Eric Turcon, um dos advogados de Battisti, confirmou a informação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.