Produção de maconha cresceu dez vezes em 25 anos nos EUA

Relatório divulgado nesta terça-feira indica que a produção de maconha nos Estados Unidos aumentou dez vezes nos últimos 25 anos. Segundo o documento, são produzidas no país 10 mil toneladas da droga por ano.Com faturamento anual de US$ 35,8 bilhões, a maconha se tornou o mais lucrativo item comercial agrícola dos Estados Unidos, de acordo com o relatório "Produção de Maconha nos Estados Unidos".O valor supera os US$ 23 bilhões em faturamento com a venda de milho ou os US$ 17,6 bilhões com a cultura da soja no país.O documento foi compilado com base em dados do governo americano e divulgado pelo site drugscience.org, que defende a reclassificação da maconha nos Estados Unidos.A legislação federal americana proíbe a venda, o transporte e a posse de maconha, mas alguns Estados e governos locais possuem leis que descriminam ou limitam as restrições à maconha.11 de SetembroO relatório indica que a explosão da produção doméstica teria sido provocada em parte pelo endurecimento dos controles nas fronteiras americanas após o 11 de Setembro.Como o contrabando da droga pela fronteira com o México se tornou mais difícil, os cartéis teriam optado por criar plantações em território americano.Legalização"A produção ilícita de maconha representa um considerável faturamento para os produtores, que não pagam impostos que compensariam os custos fiscais e sociais relacionados ao (seu) uso", disse o autor do relatório, Jon Gettman.A sugestão de Gettman de que a maconha fosse legalizada nos Estados Unidos foi rejeitada pelo Escritório Nacional de Políticas de Controle de Drogas da Casa Branca. Um porta-voz do órgão disse que não poderia confirmar quanta maconha os Estados Unidos produzem, mas disse que cerca de US$ 200 bilhões são gastos por ano no país com o consumo da droga.Ele também salientou que há mais adolescentes se submetendo a tratamento por dependência de maconha do que por qualquer outra droga no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.