Produção japonesa de carros despenca mais de 50% após terremoto

Queda em março foi causada pela falta de componentes e peças produzidos em fábricas na área atingida pelo desastre.

Ewerthon Tobace, BBC

25 de abril de 2011 | 06h51

As principais fabricantes de carros japonesas tiveram queda de mais de 50% na produção doméstica após o terremoto e o tsunami do dia 11 de março.

As maiores reduções foram registradas pela Toyota e pela Honda. As montadoras tiveram, em março, queda de 62,7% e 62,9% na produção, respectivamente, em relação ao mesmo período do ano passado.

Já a Mazda e a Nissan tiveram redução de 53,6% e 52,4% na fabricação de veículos, respectivamente.

A queda foi causada pela falta de componentes e de peças, que eram produzidas por fábricas localizadas na região devastada pelo terremoto e pelo tsunami.

As filiais no exterior também registraram cortes na produção e a situação só deve começar a se regularizar no segundo semestre.

Cortes continuam

De acordo com comunicados distribuídos à imprensa pelas principais montadoras, os cortes na produção devem continuar por tempo indeterminado.

"A queda na produção no Japão é resultado da operação limitada de algumas fábricas após o grande terremoto da região leste do Japão", justificou a Mitsubishi Motor.

A fabricante teve queda de 25,7% na produção doméstica em março e anunciou também cortes nas produções no exterior.

Já a Toyota, que chegou a paralisar o trabalho por alguns dias após o terremoto, divulgou que a produção só deve voltar ao normal no final deste ano.

A maior fabricante de veículos do mundo revelou também que haverá mais cortes na produção em fábricas localizadas na Ásia.

A montadora disse que plantas de oito países asiáticos, incluindo Tailândia e Índia, operarão com 50% da capacidade até 4 de junho.

Além disso, o trabalho deverá ser reduzido para três dias por semana durante esse período.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.