Produtos caseiros podem ser usados na fabricação de bombas

As autoridades britânicas proibiram nesta quinta-feira que passageiros de aviões levem em suas bagagens de mão líquidos como bebidas e loções. A medida foi adotada após a polícia ter descoberto um plano terrorista para explodir aeronaves em pleno vôo.Tal proibição tem fundamento, pois vários produtos químicos presentes nos lares da maioria das pessoas podem servir como matéria-prima para a criação de uma bomba com um considerável poder destrutivo. Itens como removedor de esmalte e desinfetantes contêm substâncias que, se combinadas com outras, podem produzir uma explosão. Algumas bombas caseiras, por exemplo, só podem ser ativadas se receberem uma outra substância, como o ácido clorídrico, que pode ser facilmente transportado em pequenas garrafas de vidro. "O maior perigo são as misturas de reagentes à base de cloro e líquidos inflamáveis, pois a mistura entre eles provoca uma reação exotérmica (que libera calor) e, conseqüentemente, explode", informou a química da Universidade Mackenzie, Ana Vera Ferreira. Segundo ela, "esses reagentes são inúmeros e muito fáceis de se encontrar. Aí é que mora o perigo". Exemplos de ataquesOs terroristas que explodiram os trens do metrô de Londres em julho de 2005, por exemplo, utilizaram bombas de fabricação caseira escondidas em mochilas para espalhar o terror na capital inglesa.Em 1994, fundamentalistas islâmicos misturaram substâncias químicas em estado líquido para explodir um avião filipino na fronteira com o Japão, matando um passageiro japonês e ferindo outros dez.Colaborou Paulo Toledo Piza

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.