Reprodução/MSNBC
Reprodução/MSNBC

Professor de Parkland é processado por esquecer arma em banheiro público

Sean Simpson, de 43 anos, que dá aula de ciências no colégio Marjory Stoneman Douglas - palco de massacre em fevereiro - e estava em praia na cidade de Deerfield Beach quando esqueceu sua pistola 9mm; arma foi encontrada por um morador de rua bêbado

O Estado de S.Paulo

12 Abril 2018 | 14h11

MIAMI, EUA - Um professor do colégio de Parkland, na Flórida, onde 17 pessoas foram mortas em um ataque a tiros em fevereiro está sendo processado criminalmente por esquecer uma arma em um banheiro público no fim de semana. 

Estudantes de escola na Flórida onde houve massacre começam a usar mochilas transparentes

A pistola, carregada, foi encontrada por um morador de rua aparentemente bêbado que a disparou para ver se estava carregada ou não, segundo a imprensa local. Ninguém ficou ferido.

O caso aconteceu no último domingo em uma praia de Deerfield Beach, cidade no sudeste da Flórida, quando o professor de ciências Sean Simpson foi a um banheiro público e, ao sair, esqueceu sua pistola Glock 9mm.

Agora, o professor de 43 anos do colégio Marjory Stoneman Douglas enfrenta acusações no condado de Broward. 

Estudantes dos EUA travam embate com ativistas pró-armas

Simpson foi preso e é acusado de não guardar de forma segura uma arma de fogo, um crime com pena máxima de 60 dias de prisão. Ele pagou fiança de US$ 250 e aguardará a sentença em liberdade.

Interrogado pela polícia, Joseph Spataro, o morador de rua que achou a pistola, foi acusado de roubo e por disparar uma arma de fogo em estado de embriaguez.

As autoridades foram alertadas no fim de semana sobre o caso por um banhista que fugiu da praia ao ouvir o tiro disparado por Spataro.

Simpson, que ao perceber que havia esquecido sua arma voltou até o banheiro público, disse que seu desejo era receber treinamento para poder levar uma pistola de proteção ao centro educativo onde Nikolas Cruz, de 19 anos, assassinou 17 pessoas com um fuzil. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.