Professora afegã é morta em atentado do Taleban

Atiradores do Taleban em motocicletas mataram neste domingo a professora e ativista pelos direitos da mulher Sitara Achikzai, na cidade afegã de Kandahar. Achikzai, membro do conselho provincial de Kandahar, foi morta do lado de fora de sua casa, disse o chefe do conselho, Ahmad Wali Karzai. Um porta-voz do Taleban, Yousuf Ahmadi, confirmou por telefone que a milícia foi responsável pelo assassinato.

AE-AP, Agencia Estado

12 de abril de 2009 | 16h46

A professora havia retornado ao Afeganistão com o marido, após anos no exílio na Alemanha, para trabalhar em Kandahar, segundo o governador da província, Turylai Wesa. "Eles deixaram sua família, seus filhos e sua vida confortável no Ocidente e vieram a Kandahar para viver com seu povo e servir seu povo", ele disse.

Segundo o chefe de polícia Mutaiullah Kate, o guarda-costas de Achikzai, que não estava armado, disse que havia quatro atiradores em duas motocicletas.

A província de Kandahar, de onde o Taleban surgiu como milícia no começo dos anos 90, tinha três mulheres em seu conselho. Uma delas, Zarghona Kakar, sobreviveu há dois anos a uma tentativa de assassinato, na qual seu marido foi morto.

Em 1º de abril, quatro militantes do Taleban invadiram o prédio do conselho e mataram 13 pessoas.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaAfeganistãoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.