Professora de assassino revela que havia avisado à polícia

Uma professora do estudante sul-coreano Cho Seung-Hui, que na segunda-feira matou 32 estudantes da Universidade Tecnológica da Virgínia, previu um ano e meio antes que seu aluno teria um triste fim. Cho se matou após o maior massacre estudantil na história dos EUA.Com a revelação de dados cada vez mais perturbadores sobre a vida do estudante de 23 anos, sua professora de inglês, Lucinda Rody, afirmou na terça-feira, 17, que a ira de Cho contra a sociedade era evidente. Tanto que, há mais de um ano e meio, chegou a procurar as autoridades acadêmicas e a polícia para advertir do perigo que representava.Em declarações à rede de televisão CNN, Roy disse que oestudante nunca falou de armas nem de assassinato, mas o queescrevia era suficiente para causar preocupação."As ameaças pareciam estar sob a superfície. Não eram explícitas e essa era a dificuldade da polícia" para atuar, explicou a professora. "Meu argumento era de que ele estava tão perturbado que tínhamos que fazer algo ao respeito", acrescentou.Cho cursava o último ano de filologia inglesa e era um estudante muito inteligente, segundo a professora.No entanto, devido ao conteúdo dos seus textos ela decidiu que ele não deveria participar das turmas com os outros estudantes e começou a dar aulas particulares."Deixei claro que o que ele escrevia era inaceitável", disse,após revelar que pediu que Cho procurasse ajuda médica ouPsiquiátrica.Ian MacFarlen, companheiro de Cho, disse que o estudantesul-coreano escreveu duas obras de teatro "profundamenteinquietantes e gráficas" em sua violência."Eram como um pesadelo. A violência era macabra, distorcida. As armas eram usadas de um modo que ninguém teria imaginado", lembrou.Numa das obras, o personagem fala de matar seu padrasto numaorgia de sangue."Era um solitário e temos dificuldades para encontrar informação sobre ele", contou Larry Hincker, vice-presidente de relações da Universidade Virgínia Tech.Segundo Kenna Quinet, professora de direito penal da India Purdue University, a solidão é característica dos assassinos em massa, homens que tendem a se sentir alienados e ressentidos com a sociedade.Cho era um residente legal nos Estados Unidos. Ele chegou ao país quando tinha 8 anos e viveu a sua infância e adolescência em Centreville, cerca de 40 quilômetros a sudoeste de Washington.Steve Flaherty, da Polícia da Virgínia, revelou na terça-feira que Cho não deixou uma nota explícita sobre suas ações e seu suicídio.No entanto, a rede de televisão ABC News informou que uma nota achada em seu dormitório continha explicações e a frase "Fui obrigado a fazer isto".O jornal The Chicago Tribune informou que na mesma nota Cho criticava o que chamava de "meninos ricos", "a decadência" e os "charlatões mentirosos" da universidade.A polícia da Virgínia confirmou que Cho parece haver sido o único responsável do massacre.Inicialmente havia a hipótese de que poderia haver mais de umassassino, já que o massacre ocorreu em dois incidentes separados. O primeiro foi num alojamento estudantil, onde Cho matou duas pessoas.No segundo, nas salas de aula da Faculdade de Engenharia, oestudante matou professores e alunos após fechar várias saídas do edifício.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.