Professora é afastada por ter pedido que alunos escrevessem cartas de suicídio

Suposto 'exercício de redação' foi denunciado por pai de um dos adolescentes.

BBC Brasil, BBC

12 de dezembro de 2012 | 12h45

Uma professora francesa foi suspensa por ter supostamente pedido a seus alunos, de entre 13 a 14 anos de idade, que escrevessem uma redação no formato de carta de suicídio, explicando as razões da decisão de tirar a própria vida.

Autoridades locais disseram que a professora trabalha na escola secundária de Montmoreau-Saint-Cybard, na região de Charente, no oeste da França.

Ela deve permanecer afastada de suas funções enquanto o conselho de educação local decide sobre uma possível punição.

A redação teria sido solicitada ainda em outubro, mas o caso só veio à tona agora após uma carta anônima de um dos pais dos alunos, que ficou revoltado com o episódio.

Segundo o jornal local La Charante Libre, a professora, cujo nome não foi divulgado, teria pedido aos alunos que se imaginassem como um jovem de 18 anos que se suicidou.

"Na última hora, você decidiu explicar seus motivos", teria dito a professora aos alunos, segundo a denúncia de um dos pais dos adolescentes. "Fazendo um autoretrato, você vai descrever sua falta de amor próprio. Seu texto vai fazer um apanhado geral dos fatos na sua vida que levaram a esse sentimento", teria instruído a professora,

Jean-Marie Renault, diretor acadêmico da região de Charente, confirmou que a professora foi suspensa e que será solicitado que ela explique o que estava tentando fazer.

"Se é verdade que a questão do suicídio foi colocada nos mesmos termos que foram reportados, é algo no mínimo surpreendente", disse.

Uma aluna, entretanto, disse à agência de notícias France Presse que houve um exagero nos relatos sobre o caso, e que a professora havia pedido que eles somente "imaginassem que não se sentiam bem". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
françasuicídioalso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.