Alex Brandon / AP
Alex Brandon / AP

Mulher que acusa indicado para a Suprema Corte dos EUA de assédio sexual exige investigação do FBI

Pedido é um requisito para Christine Blasey Ford prestar depoimento ao Comitê Judiciário do Senado na próxima semana

O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2018 | 04h31
Atualizado 19 Setembro 2018 | 15h16

WASHINGTON - A professora universitária Christine Blasey Ford exigiu uma investigação do Departamento Federal de Investigações dos Estados Unidos (FBI) contra o juiz Brett Kavanaugh, acusado de ter abusado sexualmente dela há 30 anos. O pedido é um requisito para ela prestar depoimento ao Comitê Judiciário do Senado na próxima semana. 

Segundo a defesa, Christine quer cooperar com os senadores, que examinam a indicação de Kavanaugh, mas tem sido alvo de "constantes constrangimentos e ameaças de morte" desde que denunciou o juiz - indicado pelo presidente Donald Trump para a Suprema Corte americana - por abuso sexual.

"Uma investigação do FBI deverá ser o primeiro passo para abordar as acusações", escreveram os advogados da professora em uma carta.

Reveja: Kavanaugh - mais um problema para Trump

A nova abordagem é vista uma como resposta à defesa de Trump a Kavanaugh e sua decisão de mantê-lo na Suprema Corte. Mais cedo, magnata disse que o juiz "não é um homem que merece" o que está acontecendo com seu processo de nomeação

O presidente também descartou a ideia de solicitar ao FBI a reabertura das investigações de antecedentes de Kavanaugh. Caso mude de ideia, a nomeação do juiz deverá ser adiada para depois das eleições legislativas de novembro, nas quais o Partido Republicano corre o risco de perder a maioria no Senado e, assim, ver a indicação ser barrada pelos democratas.

Senadores republicanos afirmaram que Chistine terá apenas uma chance de apresentar sua versão ao Comitê Judiciário na segunda-feira. "Segunda é a oportunidade dela", disse o líder da maioria no Senado, o republicano Mitch McConnell, que ainda acredita nas chances de Kavanaugh ser confirmado para um assento na Suprema Corte. "Não estou preocupado com a nomeação."

Reveja: Trump nomeia conservador para Suprema Corte

Christine denunciou o caso publicamente no domingo ao jornal The Washington Post. Ela acusa Kavanaugh de tentar atacá-la e despi-la quando estava bêbado em uma festa realizada no Estado de Maryland, em 1982.

A revelação prejudicou a nomeação do juiz à Suprema Corte. O Comitê Judiciário do Senado previa votar a indicação nesta quinta-feira, 20, mas após o caso se tornar público, o processo foi adiado para a próxima semana. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.