Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
REUTERS/Brian Blanco
REUTERS/Brian Blanco

Professores da Flórida poderão lecionar armados a partir de 1º de outubro

Governador republicano Ron DeSantis sanciona lei de 'segurança escolar', que permite o porte de arma aos funcionários das instituições de ensino que passarem por revisão de antecedentes criminais, por exame psicológico e por treinamento

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2019 | 13h35

MIAMI - O governador da Flórida autorizou os professores do Estado a portar armas para defender alunos de potenciais ataques com armas de fogo ao assinar uma lei que amplia o alcance de uma série de medidas tomadas no ano passado depois do massacre de 17 alunos na cidade de Parkland.

A medida, rechaçada pelo distrito escolar ao qual pertence Parkland e que divide opiniões entre os país das vítimas deste ataque, entrará em vigor em 1º de outubro. Sem fazer alarde, o governador republicano Ron DeSantis assinou na noite de quarta-feira, 8, a lei de "segurança escolar" aprovada na semana passada pelo Legislativo estadual.

O novo mecanismo permite que professores e outros funcionários das escolas do Estado portem armas dentro das instituições desde que passem por uma revisão de seus antecedentes criminais, por um exame psicológico e por um treinamento.

Andrew Pollack, cuja filha Meadow de 18 anos morreu no ataque em 18 de fevereiro de 2018, defendeu nesta quinta-feira, 9, a decisão do Estado. 

"Seus tuítes não farão nossos estudantes ficarem mais seguros", escreveu Pollack no Twitter ao responder o comentário da apresentadora de TV Chelsea Handler, que é contra a medida. "Suas queixas não deixarão nossos estudantes em segurança. O partido republicano da Flórida, sim, lhes dará segurança", afirmou.

Made with Flourish

Mas nem todos os pais das vítimas de Parkland, ao norte de Miami, concordaram com a polêmica decisão do governador. Fred Guttenberg, pai de Jaime, que tinha 14 anos ao ser morto no ataque, disse que essa lei é "uma ideia terrível".

"O autor do próximo ataque dentro de uma escola agora pode ser um professor", escreveu em sua conta no microblog.

Para implementar a medida, os distritos escolares da Flórida devem aprová-la em suas jurisdições. Segundo o jornal Tampa Bay Times, vários distritos no sul do Estado já se manifestaram para informar que não aplicarão o texto. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.