Eve Edelheit/NYT
Eve Edelheit/NYT

Professores processam Flórida por volta às aulas

Estado enfrenta uma das piores ondas de contaminação no país; governador Ron DeSantis ordenou reabertura de escolas no próximo mês

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2020 | 22h24

TALLAHASSEE, FLÓRIDA - Sindicatos de professores da Flórida acionaram a Justiça nesta segunda-feira, 20, para suspender a ordem do governador republicano Ron DeSantis de reabrir totalmente as escolas no próximo mês. O Estado enfrenta uma das piores ondas de contaminação no país.

O processo, que parece ser o primeiro do tipo em todo os EUA, deve iniciar um embate entre a categoria e políticos locais que querem o retorno às aulas. Em outros Estados, como a Califórnia e partes do Texas, dirigentes concluíram que não é seguro ter aulas presenciais. 

A ordem de DeSantis veio no começo deste mês. Pela regra, as escolas de todo o Estado devem reabrir cinco dias por semana a partir de agosto. 

O decreto foi assinado dias depois de o presidente Donald Trump pedir para que as escolas fossem reabertas e ameaçou cortar o financiamento federal das unidades que não retomassem o ensino presencial.

A Federação Americana de Professores, o segundo maior sindicato da categoria no país e sua afiliada local, a Florida Education Association, acusou DeSantis de violar uma lei estadual que exige que as escolas sejam “seguras”. Os sindicatos, junto com os pais e professores, pediram a um tribunal estadual em Miami para bloquear a ordem de reabertura do governador e permitir que os superintendentes de escolas locais e os departamentos de saúde tenham controle total sobre a retomada em futuras decisões.

DeSantis, no entanto, se eximiu na segunda de ter editado a ordem. Em entrevista coletiva, ele disse que o despacho havia sido emitido pelo Departamento de Educação do Estado, não por ele. “Ele (o departamento) tem uma diretoria.” A ordem foi assinada por Richard Corcoran, comissário de Educação do Estado, indicado por DeSantis.

Nesta segunda-feira, a Flórida ultrapassou as 5 mil mortes (chegou a 5.072)por covid-19 – é o oitavo Estado no país a superar a marca – e registrou 10.347 novos casos. O governo local não informou como pretende lidar com o processo movido pelos professores. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.