Anna Moneymaker/The New York Times
Anna Moneymaker/The New York Times

Profissionais da saúde se preocupam com possível volta de aparições públicas de Trump

O médico da Casa Branca, Sean Conley, afirma que o presidente dos EUA seria capaz de retornar aos compromissos públicos com segurança neste sábado; notícia foi recebida com ceticismo por especialistas

Katherine J. Wu, New York Times

09 de outubro de 2020 | 10h12

WASHINGTON - O médico da Casa Branca, Sean P. Conley, previu em um memorando divulgado na quinta-feira, 8, que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, poderia “retornar aos compromissos públicos” com segurança neste sábado, com base na data em que ele testou positivo para o coronavírus e sua resposta aos tratamentos. O documento, que ofereceu uma breve visão geral dos sinais vitais de Trump, dizia que o presidente havia concluído sua "terapia para covid-19" e "permaneceu estável e sem quaisquer indicações que sugiram progressão da doença".

Mas as notícias do retorno potencialmente iminente de Trump às aparições públicas ou à campanha eleitoral foram recebidas com ceticismo e alarme por especialistas médicos, que sugeriram que era prematuro e questionaram se o fim de seu isolamento atendia às diretrizes dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). 

Especialistas disseram que a retomada das funções públicas pode piorar a condição do presidente rapidamente nos próximos dias. A covid-19, uma doença imprevisível, pode piorar inesperadamente durante a segunda semana de doença de um paciente.

Em um vídeo divulgado na quarta-feira, o presidente declarou que sua briga com o coronavírus foi uma "bênção de Deus" e retratou como uma "cura" o tratamento experimental com anticorpos que recebeu da empresa farmacêutica Regeneron.

Após o lançamento do memorando do Dr. Conley, a campanha de reeleição de Trump divulgou um comunicado pedindo que o segundo debate presidencial ocorra como originalmente programado na quinta-feira. O documento dizia que não havia "nenhuma razão médica para que a Comissão de Debates Presidenciais devesse mudar o debate para um ambiente virtual, adiá-lo ou alterá-lo de alguma forma".

Com base nas informações fornecidas, "não, eu não o autorizaria a iniciar compromissos públicos no sábado", disse Phyllis Tien, médica infectologista da Universidade da Califórnia, em San Francisco, onde conduz e acompanha ensaios clínicos sobre a covid-19.

O memorando lista a frequência cardíaca do presidente (69 batimentos por minuto), pressão arterial (127/81), frequência respiratória (15 a 17 respirações por minuto) e níveis de oxigênio no sangue (96 a 98 por cento sem oxigênio suplementar). O memorando não indica a temperatura de Trump.

Todos esses sinais vitais estão dentro da faixa normal, disse a Dra. Krutika Kuppalli, uma médica infectologista que mora na Carolina do Sul. Mas os números representam apenas um instantâneo no tempo, acrescentou ela. 

Mais reveladores seriam as estatísticas mapeando os sinais vitais do presidente enquanto ele se movia, disse Kuppalli. "Quando ele anda, seu oxigênio cai?" ela disse. "A frequência cardíaca dele sobe? Ele tem de trabalhar mais? Isso seria importante saber."

Se o presidente abandonou recentemente a dexametasona, um esteroide normalmente administrado apenas a pacientes gravemente doentes de covid-19, seu bem-estar poderia diminuir nos próximos dias, disse Kuppalli.

As declarações de Conley na segunda-feira sugeriram que Trump pode estar em risco no sábado e no domingo. "Estamos atentos para este fim de semana", disse ele em uma entrevista coletiva. "Se conseguirmos chegar à segunda-feira, com ele permanecendo na mesma condição - ou melhorando, melhor ainda - então todos daremos aquele profundo suspiro final de alívio."

Um retorno inadequado ao público para Trump também pode colocar outras pessoas em perigo por meio do contato próximo. De acordo com as diretrizes do CDC, pessoas com casos leves a moderados de covid-19 provavelmente "permanecerão infecciosas por não mais do que 10 dias após o início dos sintomas". A declaração do dr. Conley citou o sábado como "dia 10 desde o diagnóstico da quinta-feira passada."

Tien diz que não acredita em tal avaliação. A enorme quantidade de tratamentos que Trump recebeu, afirma ela, sugere que sua doença era grave, o que poderia estender a duração do isolamento recomendado para 20 dias após o início dos sintomas.

Trump pode ser capaz de encerrar seu isolamento mais cedo se ele der negativo para o vírus, usando um teste de laboratório muito preciso, salienta Tien. Mas nenhum desses resultados foi relatado no memorando de quinta-feira, que mencionou apenas uma "trajetória de diagnósticos avançados".

O uso de palavras vagas pode ser interpretado como um teste definitivo para infecciosidade, que "até onde sei, não existe", disse Taison Bell, médico intensivista da Universidade da Virgínia. "Gostaria de aprender com o Dr. Conley o que eles estão fazendo."

Mesmo que Trump atendesse aos critérios para um caso leve ou moderado de covid-19, um fim do isolamento no sábado pode não ser aprovado. Embora se saiba que o presidente foi diagnosticado no dia 1.º de outubro, o ponto em que seus sintomas começaram a aparecer permanece obscuro. 

Se eles se manifestaram pela primeira vez em 30 de setembro, então o sábado pode ser qualificado como 10 dias após o início dos sintomas. Se eles começassem em 1.º de outubro, o dia 10 seria domingo.

O CDC estipula que "para a maioria das pessoas com doença de covid-19, o isolamento e as precauções geralmente podem ser interrompidos 10 dias após o início dos sintomas e a resolução da febre por pelo menos 24 horas, sem o uso de medicamentos para redução da febre e com melhora de outros sintomas."

"Não sei como classificaria a doença", disse Bell. "Sem conhecê-lo como paciente, é difícil fazer essa determinação." Ainda assim, ele acrescentou, seria sensato proceder com cautela, dados os riscos.

"Isso é maior do que ele", disse Kuppalli. "Todo mundo vai ter um ponto de vista diferente. Mas eu ainda erraria pelo lado seguro e o manteria isolado por 20 dias."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.