Programa culinário ameaça primeiro-ministro da Tailândia

O primeiro-ministro tailandês, Samak Sundaravej, pode ser afastado do cargo por comandar um programa na televisão chamado "Provando e Reclamando", uma mistura de culinária com comentários sobre fatos variados. A Corte Constitucional julgará se ele descumpriu uma proibição de não manter um emprego privado, enquanto ocupa um cargo público. O veredicto deve sair nesta terça-feira. Caso culpado, Samak, também um famoso chef tailandês, seria obrigado a deixar o cargo.O primeiro-ministro enfrenta ainda duas semanas de protestos nas ruas pedindo sua deposição. Um grupo ocupa parte do escritório governamental desde 26 de agosto, para pressionar pela saída do líder.Os oposicionistas argumentam que Samak é ligado ao ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, deposto em 2006 por um golpe militar. Thaksin era acusado de corrupção e abuso de poder. A mesma coalizão, a Aliança do Povo pela Democracia, liderou os protestos de 2006 e comanda os atuais."Se a corte decidir que o primeiro-ministro Samak não está apto a manter o cargo, então a crise política automaticamente se encerrará", disse o advogado Suwat Apaipakdi, que trabalha para um grupo de senadores que abriu o caso contra Samak.Mesmo se absolvido, Samak pode enfrentar outros problemas. A comissão eleitoral recomendou que o partido do primeiro-ministro seja dissolvido por fraudes. Além disso, Samak enfrenta um processo por fraude e pode ainda responder por três acusações de corrupção.Samak era o apresentador até assumir como primeiro-ministro, em fevereiro. Depois disso, ele apareceu seis vezes no programa, a última delas em maio, o que originou a petição dos senadores. O primeiro-ministro argumenta que recebeu honorários por cada participação e que não era um funcionário da emissora, o que não é considerado, em sua opinião, contrário à lei.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.