Roslan Rahman/AFP
Roslan Rahman/AFP

Programa nuclear de Pyongyang é uma ameaça para todos, diz secretário de Defesa dos EUA

Em evento em Cingapura, Jim Mattis também não poupou críticas aos chineses por terem "militarizado" ilhas disputadas na região do Mar do Sul da China

O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2017 | 02h54

CINGAPURA - O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, afirmou neste sábado, 3, que o desenvolvimento do programa de armamento da Coreia do Norte representa "uma ameaça para todos e um claro perigo".

Em declarações em conferência sobre segurança internacional em Cingapura, Mattis disse que a administração Trump se sente encorajada pelo compromisso reforçado da China em trabalhar com os norte-maericanos para impedir o desenvolvimento de armas nucleares por Pyongyang

A China bloqueou as novas e mais severas sanções contra Pyongyang que os Estados Unido propuseram ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas. Ainda assim, o Conselho votou unanimemente para acrescentar 15 pessoas e quatro entidades ligadas ao programa nuclear e balístico norte-coreano à "lista negra" de sanções da ONU.

"O desenvolvimento contínuo de armas nucleares e meios para as lançar não é novo, mas o regime de Pyongyang acelerou o ritmo e ampliou seus esforços", disse, em referência aos vários testes de dispositivos nucleares e mísseis que o regime de Kim Jong-un promoveu.

"Apesar de o regime da Coreia do Norte ter um longo histórico de homicídio de diplomatas, sequestros, mortes de marinheiros e atividade criminosa, o seu programa de armas nucleares é uma ameaça para todos. Em termos de segurança nacional, os Estados Unidos consideram que a ameaça da Coreia do Norte é um perigo claro e presente", afirmou Mattis.

No seu discurso, Mattis elogiou a China e criticou o "desrespeito" de Pequim pela lei internacional devido à sua "indiscutível militarização" de ilhas artificiais em zonas disputadas no Mar do Sul da China. "Não podemos nem vamos aceitar mudanças unilaterais e coercivas ao 'status quo'", afirmou. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.