Programa nuclear do Irã não é negociável, diz Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse neste sábado que a comunidade internacional está determinada a impedir que o Irã desenvolva armas nucleares. Em discurso na reunião que reúne, neste fim de semana, as mais importantes autoridades em segurança do mundo, em que se esperava a presença do negociador nuclear iraniano Ali Larijani, Merkel disse que Teerã precisa aceitar as exigências feitas pela Organização das Nações Unidas e a Agência Internacional de Energia Atômica. "Isso não é negociável", disse ela a 250 autoridades, incluindo mais de 40 ministros do Exterior e da Defesa. "Estamos falando de uma tecnologia muito, muito sensível, e por essa razão nós precisamos de um alto grau de transparência, o qual o Irã falhou em fornecer, e se não o fizer, então a alternativa é que caia no isolamento."Merkel, cujo país detém a Presidência da União Européia, reiterou o apoio da comunidade internacional a Israel e disse que há uma resolução unificada para impedir que o Irã desenvolva armas nucleares. "Estamos determinados a impedir a ameaça representada pelo programa nuclear iraniano."A Conferência anual de Segurança de Munique, agora em seu 43º ano, é normalmente utilizada como um oportunidade para as autoridades exercerem a diplomacia em um ambiente informal.As autoridades presentes também incluem o presidente russo, VladimirPutin, o novo secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, e outros oficiais importantes.NegociaçõesIndo para a conferência, Larijani disse que planeja usar c a conferência como uma oportunidade para negociar sobre o programa nuclear do Irã. Essas seriam as primeiras conversar com autoridades ocidentais desde a imposição de sanções por parte da ONU, em dezembro.Segundo ele, o impasse internacional sobre a questão nuclear do seu país pode ser resolvido com as conversações. "Nós acreditamos que a questão nuclear no Irã será resolvida com negociação", disse. Larijani deve se encontrar com o ministro do Exterior alemão, Frank-Walter Steinmeier, e com o Alto Representante para a Política Externa da UE, Javier Solana.Solana, disse, no entanto, não esperar uma decisão durante o durante o encontro. "Eu não acredito que amanhã (domingo) será o dia, apenas o começo, se for o começo", afirmou.No jantar de abertura da conferência, a ministra do Exterior de Israel, Tzipi Livni pediu a solidariedade internacional para pressionar o Irã, a fim de evitar que o país produza armas nucleares."É um regime que questiona o Holocausto enquanto ameaça o mundo com um novo, tentando desenvolver uma arma para fazê-lo", disse ela. " O Irã é uma ameaça não apenas para Israel... mas para o mundo. A comunidade internacional não pode mostrar hesitação... qualquer hesitação de nossa parte será interpretada como fraqueza."Crises globaisA conferência deste ano se concentra no tema "Crises Globais - Responsabilidades Globais", de olho na mudança de papel da Otan, o processo de paz no Oriente Médio, as relações do Ocidente com a Rússia e a luta contra o terrorismo.Merkel abriu a conferência dizendo às autoridades que uma das maiores ameaças que o mundo enfrenta atualmente é o aquecimento global, pedindo um esforço conjunto para combatê-lo. "O aquecimento global é uma das ameaças de médio e longo prazo que poderia ter um efeito dramático", disse. "Essa ameaça é um ameaça global, afeta a todos - ninguém pode escapar - e é uma que nós apenas podemos lidar juntos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.