Proibição de armas de assalto deixará de valer nos EUA

O Congresso americano não renovará a proibição de venda de armas de assalto para civis que expira na próxima semana, informam líderes do Partido Republicano. A proibição por 10 anos, sancionada pelo então presidente Bill Clinton, declarou ilegais 19 modelos de armas de assalto de estilo militar. Um artigo da lei diz que a proibição deixará de ser válida em uma década, se não for renovada pelo Congresso.Políticos do Partido Democrata e chefes de polícia dizem que o presidente George W. Bush deveria tentar convencer o Congresso a renovar o banimento das armas. Bush disse que sancionará a lei, se for aprovada. "Se o presidente me pedisse, ainda seria um não... Porque não temos os votos para aprovar um banimento das armas de assalto e ele vai expirar na segunda-feira e é isso aí", disse o líder da maioria na Câmara, Tom DeLay.Em entrevista coletiva, chefes de polícia do Distrito de Colúmbia, Los Angeles, Seattle e Atlanta previram um aumento nos crimes violentos com armas de fogo.O presidente da Associação Nacional do Rifle, grupo que defende o direito dos americanos de ter armas, Wayne LaPierre, disse que está tão confiante na não renovação da lei que a organização sequer está investindo em propaganda contra o banimento. Ele disse que a medida carece de apoio porque muitos democratas atribuem a perda da maioria na Câmara, em 1994, aos votos a favor da proibição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.