REUTERS/Carlo Allegri
REUTERS/Carlo Allegri

Trump dará ao Pentágono 6 meses para implementar a proibição de transexuais nas Forças Armadas

Segundo o jornal ‘The Wall Street Journal’, caberá ao secretário de Defesa, Jim Mattis, a ‘análise da capacidade dos membros em serviço para sua utilização ou baixa’ do setor

O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2017 | 04h38
Atualizado 24 Agosto 2017 | 08h16

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, dará ao Pentágono seis meses para que implemente totalmente sua decisão anunciada em julho de proibir o recrutamento de transexuais nas Forças Armadas do país, informou na quarta-feira 23 a imprensa local.

Segundo o jornal The Wall Street Journal, o governo entregará ao Pentágono no próximos dias as diretrizes sobre como implementar a proibição. No fim de julho, Trump escreveu uma série de tuítes sobre sua decisão de proibir a entrada de transexuais nas Forças Armadas, contrariando a política aplicada por seu predecessor, Barack Obama.

As diretrizes, explicadas em um memorando de duas páginas e meia, deixa para o secretário de Defesa, Jim Mattis, "a análise da capacidade dos membros em serviço para sua utilização ou baixa" das Forças Armadas, segundo o jornal.

Citando funcionários familiarizados com o texto, a publicação revela que o memorando instrui o Pentágono a não admitir novos membros transexuais e a suspender o pagamento de tratamentos médicos para os militares que desejam trocar de sexo.

Atualmente, estimativas divergentes apontam que há entre 1.320 e 15.000 transexuais entre os 1,3 milhão de membros das Forças Armadas dos EUA. Trump defende sua posição alegando "o alto custo médico" com as trocas de sexo e "os transtornos que representam as pessoas transgênero nas Forças Armadas". / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.