Ivan Alvarado/REUTERS
Ivan Alvarado/REUTERS

Proibições de viagens podem impedir a disseminação de cepas do coronavírus? Especialistas duvidam

Não está claro se as novas variantes já estão circulando. Portanto, os movimentos mais recentes de países para barrar viajantes internacionais podem, mais uma vez, ser muito pouco, e tarde demais

Marc Santora, The New York Times

23 de dezembro de 2020 | 10h00

LONDRES - Enquanto nação após nação se apressava esta semana para fechar suas fronteiras com o Reino Unido, as mudanças trouxeram de volta memórias de como o mundo reagiu depois que o coronavírus emergiu no fim do ano passado. A maioria dessas proibições de viagens iniciais veio tarde demais, implementadas depois que o vírus já havia se disseminado em comunidades em todo o mundo.

Desta vez, com os países tentando impedir a disseminação de uma nova cepa do coronavírus possivelmente mais contagiosa identificada pelo Reino Unido, também pode ser tarde demais. Não se sabe até que ponto a variante já está circulando, dizem os especialistas, e as proibições ameaçam causar mais dificuldades econômicas e emocionais à medida que o número de vítimas da covid-19 continua a crescer.

“É idiota” foi a avaliação direta de Peter Kremsner, diretor do Hospital Universitário de Tübingen, na Alemanha. “Se essa mutação estava apenas na ilha, só então faria sentido fechar as fronteiras com a Inglaterra, Escócia e País de Gales. Mas se ele se espalhou, então temos que combater a nova mutação em todos os lugares”.

Ele notou que a compreensão científica da mutação era limitada e seus perigos desconhecidos, e descreveu como ingênua a noção de que a variante já não estava se espalhando amplamente fora do Reino Unido. 

Além disso, o Reino Unido tem alguns dos esforços de vigilância genômica mais sofisticados do mundo, o que permitiu aos cientistas de lá descobrir a variante quando poderia ter passado despercebida em outro lugar, dizem os especialistas.

Hans Kluge, diretor regional da Organização Mundial da Saúde para a Europa, disse que os Estados membros tentariam propor uma abordagem coerente para qualquer ameaça representada pela variante.

No momento, ele escreveu no Twitter, “limitar as viagens para conter a propagação é prudente até que tenhamos informações melhores”. Mas ele observou: “ninguém está seguro até que todos estejam seguros”.

Com pedidos crescentes para que os Estados Unidos se juntem às dezenas de nações que proíbem viagens do Reino Unido, Anthony Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas dos EUA, pediu cautela, dizendo que havia uma boa chance de a variante já estar lá.

“Eu não acho que esse tipo de abordagem draconiana seja necessária”, disse ele no programa PBS NewsHour na noite de segunda-feira. “Acho que devemos considerar seriamente a possibilidade de exigir o teste das pessoas antes de virem do Reino Unido para cá”.

O governador Andrew Cuomo, de Nova York, disse que a British Airways, a Delta Air Lines e a Virgin Atlantic concordaram em exigir um resultado negativo no teste do coronavírus dos passageiros que embarcam em voos do Reino Unido para Nova York.

Na ausência de ação federal, outros líderes estaduais e locais pediram medidas semelhantes antes dos dias de pico das viagens de férias.

Muitos países já exigem um teste de coronavírus negativo para a entrada, mas cortar todas as viagens entre as nações é uma proposta mais preocupante.

A Comissão Europeia, o braço executivo da União Europeia, exortou os membros do bloco a suspender as proibições gerais ao Reino Unido para que viagens essenciais possam acontecer. Mas, por enquanto, as nações parecem preferir estabelecer suas próprias regras.

No final da terça-feira, a França recuou no fechamento da fronteira, anunciou no domingo que havia represado mais de mil motoristas de caminhão. Agora, diz ele, grupos selecionados de pessoas podem cruzar a fronteira se tiverem feito recentemente o teste do vírus.

A situação está convulsionando uma indústria de viagens já atingida pela pandemia, forçando milhões a mudar seus planos de férias e injetando uma nova dose de ansiedade no final de um ano sombrio.

Nova cepa do vírus foi encontrada na África do Sul

Ao mesmo tempo, uma variante separada do vírus está causando preocupação ao se espalhar na África do Sul. Pelo menos cinco nações - Alemanha, Israel, Arábia Saudita, Suíça e Turquia - barraram viajantes que chegam da África do Sul.

A Suécia bloqueou viagens da Dinamarca após relatos de que a variante britânica foi detectada lá. E a Arábia Saudita foi ainda mais longe, suspendendo todas as viagens aéreas internacionais para o reino por pelo menos uma semana.

A variante da África do Sul tornou-se objeto de intensa pesquisa científica depois que os médicos descobriram que as pessoas infectadas com ela carregam uma carga viral elevada - uma concentração maior do vírus em seu trato respiratório superior. Em muitas doenças virais, isso está associado a sintomas mais graves.

Como não se sabe até que ponto as duas variantes estão se espalhando, é impossível avaliar quais efeitos as tentativas de isolar o Reino Unido e a África do Sul terão sobre sua contenção.

Com seus sofisticados esforços de vigilância genômica, o Reino Unido sequenciou cerca de 150 mil genomas de coronavírus em um esforço para identificar mutações. Isso representa cerca de metade dos dados genômicos mundiais sobre o vírus, disse Sharon Peacock, diretora do covid-19 Genomics U.K. Consortium e professora de microbiologia da Universidade de Cambridge.

“Se você vai encontrar algo em qualquer lugar, provavelmente vai encontrar aqui primeiro”, disse o professor Peacock. “Se isso ocorrer em lugares que não têm sequenciamento, você não vai encontrar nada”, acrescentou ela, a menos que tenham realizado outros testes que se mostraram úteis na identificação da variante.

No País de Gales, um país de três milhões de habitantes, os geneticistas sequenciaram mais genomas de coronavírus na semana passada do que os cientistas examinaram durante toda a pandemia na França, um país de 67 milhões de habitantes, disse Thomas Connor, professor especializado em variação de patógenos na Universidade de Cardiff.

“É provável que variantes semelhantes estejam surgindo em todo o mundo”, disse ele. “E há variantes que provavelmente estão surgindo em outros lugares que estão se espalhando localmente e que seriam completamente ignoradas porque não há sequenciamento no lugar.”

Autoridades britânicas disseram que o primeiro caso da variante agora se espalhando amplamente no país foi detectado em Kent, no sudeste da Inglaterra, em 20 de setembro. Em novembro, cerca de um quarto dos casos em Londres - um centro de comércio internacional - envolveram a nova variante. Apenas algumas semanas depois, a variante foi estimada como responsável por quase dois terços dos casos na Grande Londres.

Isso significa que, no momento em que o primeiro-ministro Boris Johnson se dirigiu à nação no sábado à noite para anunciar novas medidas severas de bloqueio para milhões de pessoas dentro e ao redor de Londres, a variante já estava se espalhando há meses.

Autoridades da França e da Alemanha reconheceram na terça-feira que a variante pode já estar circulando em seus países. O Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças disse que alguns casos com a nova variante foram detectados na Dinamarca, Islândia e Holanda. E as autoridades de saúde da Austrália e da Itália relataram casos em viajantes do Reino Unido.

Aqueles que apoiam as proibições de viagens disseram que poderiam desempenhar um papel em reduzir o número de casos de novas variantes.

“Os números são importantes”, escreveu Emma Hodcroft, pesquisadora da Universidade de Berna, na Suíça, no Twitter. “O número de pessoas com a nova variante na Europa continental provavelmente ainda é pequeno: com testes, rastreamento, identificação e restrições, podemos evitar que transmitam o vírus”.

Se a variante provar ser significativamente mais contagiosa do que outras em circulação e se tornar mais disseminada, isso pode complicar os esforços globais de vacinação.

O Dr. Ugur Sahin, co-fundador da BioNTech, que, com a Pfizer, desenvolveu a primeira vacina aprovada no Ocidente para combater o coronavírus, advertiu que levaria duas semanas antes que os resultados completos dos estudos laboratoriais permitissem um entendimento mais completo sobre como as mutações podem alterar a eficácia da vacina.

“Acreditamos que não há motivo para preocupação até obtermos os dados”, disse ele.

Se uma vacina adaptada fosse necessária, ela poderia estar pronta em seis semanas, disse Sahin em entrevista coletiva na terça-feira. Mas isso exigiria aprovação adicional dos reguladores, o que poderia aumentar o tempo de espera, acrescentou.

Ele também disse que um vírus mais eficiente tornaria mais difícil atingir os níveis de imunidade necessários para acabar com a pandemia.

“Se o vírus se tornar mais eficiente em infectar as pessoas”, disse ele, “pode ser necessária uma taxa de vacinação ainda maior para garantir que a vida normal possa continuar sem interrupção”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.