Projeto de Constituição emperra negociações na Bolívia

O projeto de Constituição impulsionado pelo presidente Evo Morales foi considerado o principal obstáculo para um acordo, tanto pelo governo quanto pela oposição da Bolívia. As duas partes falaram na madrugada de hoje sobre as negociações, após quatro dias de diálogo. O texto prevê a possibilidade de reeleição presidencial. Os governadores oposicionistas buscam incluir sua proposta de maior autonomia no texto, mas também querem alterar outros pontos da Carta.Morales descartou ontem revisar o projeto, pois isso significaria "desconhecer o trabalho da Assembléia Constituinte". O presidente atacou ainda a oposição por supostamente querer prolongar demais as discussões. "Sua estratégia tem sido sempre ampliar as negociações e não acordar nada, isso ocorreu na Assembléia Constituinte", afirmou.O governador de Tarija, Marío Cossío, porta-voz da oposição, disse que os líderes dos departamentos (Estados) não podem garantir que será convocado um referendo sobre a Constituição. O problema, segundo Cossío, é que o Congresso é o encarregado de decidir sobre o assunto.Morales viaja hoje à tarde para Nova York, onde participa amanhã da Assembléia Geral das Nações Unidas. As negociações no país serão retomadas na quinta-feira, com a presença do presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.