Susan Walsh/AP
Susan Walsh/AP

Projeto de infraestrutura de US$ 1 trilhão de Biden avança após votação-chave no Senado 

Em um raro movimento bipartidário, os republicanos se juntaram aos democratas durante a sessão do fim de semana para superar o limite de 60 votos necessário para levar a medida à votação final

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2021 | 15h03
Atualizado 07 de agosto de 2021 | 16h10

WASHINGTON - O Senado americano se aproximou neste sábado, 7, de aprovar um pacote de infraestrutura de US$ 1 trilhão, depois que legisladores de ambos os partidos votaram para eliminar um obstáculo processual importante. Mais votações serão necessárias antes da aprovação final pelo Senado de uma das maiores prioridades do presidente Joe Biden.

Se aprovada, a medida proporcionará uma injeção de dinheiro federal para uma série de programas de obras públicas, de estradas e pontes, acesso à internet banda larga, água potável, entre outros. 

Em um raro movimento bipartidário, os republicanos se juntaram aos democratas durante a sessão do fim de semana para superar o limite de 60 votos necessário para levar a medida à votação final. O placar deste sábado registrou 67 votos a favor e 27 contra. O projeto de lei enfrentará outra votação no domingo para encerrar formalmente o debate e colocá-lo no caminho da aprovação.

Se todos os democratas continuarem a votar pelo sim, isso significa que eles precisam ter 10 senadores republicanos para superar o obstáculo final do projeto de lei.

A Lei de Investimento em Infraestrutura e Empregos é o primeiro dos dois pacotes de infraestrutura de Biden. O governo e os líderes do Congresso logo se voltarão para um segundo pacote maior, que deve atrair apenas o apoio democrata. 

Estimado em cerca de US$ 3,5 trilhões, esse segundo plano proporcionaria bilhões no que a Casa Branca chama de infraestrutura humana - suporte para creches, assistência médica domiciliar, educação e outros gastos que são prioridades democratas que os republicanos se comprometeram a rejeitar. O debate sobre ele se estenderá até o outono (Hemisfério Norte). 

O ex-presidente Donald Trump emitiu neste sábado uma declaração criticando Biden, senadores de ambos os partidos e o próprio projeto de lei, embora não esteja claro se suas opiniões têm influência sobre os legisladores. 

Os senadores chegaram a um entendimento, embora o projeto de lei não satisfaça totalmente os liberais, que o consideram muito pequeno, ou os conservadores, que o consideram muito grande. Ele deve fornecer dinheiro federal para projetos que muitos Estados e cidades não poderiam pagar por conta própria.

Biden afirmou neste sábado que o país não pode deixar de aprovar os investimentos em infraestrutura que vem tramitando no Congresso. No dia em que o acordo bipartidário avançou no Senado, o democrata escreveu em seu Twitter que o projeto "é um investimento histórico único em uma geração".

De acordo com Biden, a aprovação "criará empregos bem remunerados", ao consertar estradas e pontes, substituir canos de chumbo e construir linhas de transmissão de energia. Segundo o presidente, o pacote vai fazer a economia americana crescer e criará uma média de 2 milhões de empregos bem remunerados todos os anos durante a próxima década./COM AP e REUTERS 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.