K.M. Chaudary/AP
K.M. Chaudary/AP

Projeto de lei que proíbe a burca é aprovado na Itália

Medida prevê multa e até prisão para quem obrigar mulheres a usarem véus que cobrem o rosto

Agência Estado

02 de agosto de 2011 | 14h22

ROMA - Uma comissão parlamentar da Itália aprovou nesta terça-feira, 2, o projeto de uma lei que proibirá as mulheres de cobrirem seus rostos com véus em público. O projeto de lei passou na comissão de assuntos constitucionais e proibirá o uso público da burca, do niqab e de qualquer véu que cubra a face.

 

Veja também:

especialQuiz: Teste seus conhecimentos sobre véus

 

Homens e mulheres que forçarem outras mulheres a cobrirem seus rostos com véus em público serão multados em 30 mil euros (US$ 43 mil) e poderão ser sentenciados a até 12 meses de prisão, informou a agência Ansa.

 

A lei que proíbe o uso da burca e do niqab na Itália foi proposta pela deputada Souad Sbai, uma jornalista marroquina naturalizada italiana e que integra o partido conservador Povo da Liberdade (PDL), do primeiro-ministro Silvio Berlusconi. Segundo a agência Ansa, os partidos da oposição de centro-esquerda votaram contra o projeto de lei, que será apresentado ao Parlamento após o final das férias de verão, no começo de setembro.

 

"A aprovação final dessa lei colocará um fim ao sofrimento de muitas mulheres. Elas são forçadas, frequentemente, a usar a burca e o niqab, que aniquilam a dignidade", disse a deputada Barbara Saltamartini, vice-líder do PDL na câmara.

 

Na França, o uso de véus muçulmanos que cobrem todo o rosto está proibido desde 11 de abril. Lá, as mulheres que violarem a lei estão sujeitas a multas de 150 euros (US$ 215), aulas de cidadania e inclusive o registro de antecedentes penais. Além disso, as pessoas que obrigarem mulheres a usar o véu estão sujeitas a punições mais duras, como multa de 30 mil euros (US$ 43 mil) e pena de até um ano de prisão. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaIslãburcaniqabislamismoEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.