AFP
AFP

Projeto de lei quer autorizar envio de forças dos EUA contra Estado Islâmico

Casa Branca tem se apoiado em uma autorização do Congresso de 2001, época do ataque às Torres Gêmeas, para justificar todos os seus ataques a grupos terroristas desde então

O Estado de S. Paulo

28 de janeiro de 2015 | 14h52

WASHINGTON - Um deputado americano está propondo que o Congresso aprove um projeto que autoriza o governo dos Estados Unidos a enviar tropas para combater o grupo extremista Estado Islâmico (EI). Segundo o democrata Adam Schiff, do Estado da Califórnia, o Legislativo não deveria esperar que a Casa Branca envie o projeto.

"Estamos há muito tempo nesse jogo de saber quem vai enviar o projeto primeiro, o Congresso ou a Casa Branca", disse Schiff. "É hora de superarmos isso". Republicanos controlam as duas Casas atualmente e podem agir para negar um pedido enviado por Obama.

A Casa Branca tem se apoiado em uma autorização do Congresso de 2001, época do ataque às Torres Gêmeas, para justificar todos os seus ataques a grupos terroristas desde então. O presidente Barack Obama quer enviar um novo contingente para treinar e auxiliar forças iraquianas e sírias no combate ao Estado Islâmico, mas já avisou que pedirá uma nova autorização do Congresso para isso.

A proposta de Schiff autorizaria o uso de força contra o Estado Islâmico por três anos no Iraque e na Síria, mas proibiria o uso de tropas terrestres em missões de combate nos dois países. Ela vai contra o os planos do secretário de Estado, John Kerry. À Comissão de Relações Exteriores do Senado, Kerry disse que uma nova permissão não deveria limitar a ação aos dois países, nem deveria impedir o envio de forças terrestres, se necessário. O secretário disse ainda que ela deveria ter um dispositivo que permitisse sua renovação.

O deputado reconheceu que o projeto não atende as expectativas da Casa Branca, mas afirmou que nada impede que o presidente peça uma nova permissão ao Congresso caso deseje, por exemplo, enviar forças terrestres. / ASSOCIATED PRESS 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAEstado IslâmicoAdam Schiff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.