AFP PHOTO / TURKEY'S PRESIDENTIAL PRESS SERVICE / KAYHAN OZER
AFP PHOTO / TURKEY'S PRESIDENTIAL PRESS SERVICE / KAYHAN OZER

Projeto para ampliar poderes de Erdogan avança na Turquia

Com a reforma, o presidente turco terá autoridade para implementar o Estado de Emergência no país, assim como o direito em destituir ministros

O Estado de S.Paulo

30 Dezembro 2016 | 14h46

ANCARA - Uma comissão do parlamento da Turquia deu seu sinal verde à polêmica reforma constitucional para introduzir um sistema presidencial, que poderá ser submetida a votação nas próximas semanas, informou a agência Anadolu nesta sexta-feira, 30. O projeto, se aprovado, deve dar mais poderes ao presidente Recep Erdogan. 

A comissão deu sinal verde para 18 dos 21 artigos propostos pelo Partido Justiça e Liberdade (AKP. O Parlamento  deve debatê-lo e votá-lo na segunda semana de janeiro. Se a reforma for aprovada por uma maioria de três quintos, a Assembleia poderá convocar um referendo para ampliar os poderes de Erdogan. Com o auxílio da legenda opositora MHP, o AKP deve ter os votos necessários. 

Com a reforma, o presidente turco terá autoridade para implementar o Estado de Emergência no país, assim como o direito em destituir ministros, e representará o comandante das Forças Armadas turcas em nome do parlamento.

Um dos três artigos eliminados pela comissão propôs dar ao presidente a autoridade sobre entidades jurídicas públicas e a nomeação de altos funcionários. Outro artigo eliminado permitia a substituição de parlamentares em caso de morte.

No entanto, uma outra seção que propunha dar ao presidente o poder de regular instituições públicas foi incluído em outro artigo que aborda as autoridades do chefe de Estado.

Erdogan tem ganhado força após debelar um fracassado golpe de Estado atribuído a militantes do clérigo Abdullah Gullen. O governo do presidente, que também foi primeiro-ministro, tem prendido jornalistas, acadêmicos, militares e funcionários públicos críticos a ele. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Turquia Parlamento Forças Armadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.