Promessas de modernização de Putin lembram era soviética

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou nesta quinta-feira, 26, planos para gastar centenas de bilhões de dólares com várias áreas, em meio a um esforço de modernização que lembrou os dias de planificação central dos tempos áureos da União Soviética. Putin, dirigindo-se a parlamentares pela última vez antes de os eleitores russos escolherem o sucessor dele, em março, prometeu "um segundo plano para a construção de instalações elétricas no país". O primeiro plano do tipo foi lançado pelo revolucionário soviético Vladimir Lênin, em 1920. "Até 2020, temos que aumentar em dois terços a capacidade de produção de eletricidade da Rússia", disse Putin, antes de ser aplaudido, no Salão de Mármore do Kremlin. "A fim de conseguir isso, as empresas estatais e do setor privado investirão US$ 467 bilhões."A Rússia deve construir 26 usinas nucleares ao longo dos próximos 12 anos. Além disso, os setores hidrelétrico, rodoviário, ferroviário, portuário e aeroportuário receberão investimentos. E também receberá investimentos um novo sistema de canais responsável por ligar os rios Volga e Don, facilitando assim as exportações de produtos vindos dos países do mar Cáspio. A construção de canais era uma obsessão de Josef Stálin e, nessas obras, morreram milhares de pessoas submetidas a trabalhos forçados. Mas agora Putin disse desejar que as empresas toquem esses planos - o dinheiro público serviria apenas como um "catalisador". As declarações soam ambiciosas, apesar de, segundo analistas, alguns dos planos não serem novos. "Uma grande ênfase foi dada aos esforços para transformar a Rússia, novamente, em uma grande potência", afirmou Tim Ash, economista para mercados emergentes da Bear Sterns. Custos iniciaisOs gastos suplementares em relação ao Orçamento deste ano serão de US$ 25 bilhões. E a maior parte desse dinheiro será usado na capitalização de órgãos de desenvolvimento, afirmou Arkady Dvorkovich, assessor de Putin para assuntos econômicos. Desse montante, US$ 11,7 bilhões serão tirados do fundo de petróleo da Rússia, que soma atualmente US$ 108 bilhões.Putin também prometeu gastar o dinheiro do petróleo com planos para encorajar a poupança previdenciária, afirmando que o Estado realizaria pagamentos adicionais para cada mil rublos que os russos contribuíssem voluntariamente para o sistema previdenciário do país. Dvorkovich disse que cerca de apenas US$ 1,56 bilhão do dinheiro suplementar do Orçamento seria gasto imediatamente, o que preservaria a economia do país de um choque inflacionário. Mas o ministro russo das Finanças, Alexei Kudrin, a principal autoridade do governo na área fiscal, fez soar o alarme. Kudrin afirmou em um encontro de governo que o aumento excessivo da base monetária já ameaçava os esforços da Rússia para deixar a inflação em menos de 8% neste ano. "Não posso dizer que haja qualquer garantia de que atingiremos a meta de inflação", afirmou o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.