Promotor francês pede ação contra pais por morte de 8

O promotor francês Eric Vaillain recomendou a acusação formal do casal preso ontem depois que oito recém-nascidos mortos foram encontrados em sua propriedade em Villers-au-Tertre, perto da cidade de Lille, no norte da França. Um funcionário judicial, que pediu anonimato, afirmou que os dois são os pais dos bebês mortos. A mulher deve ser acusada de homicídio contra menores com menos de 15 anos e seu marido por omissão em relatar o crime e por esconder os corpos, afirmou o promotor, em nota.

AE-AP, Agência Estado

29 de julho de 2010 | 09h44

Os corpos foram encontrados em dois locais diferentes da propriedade do casal. Os dois suspeitos foram detidos ontem e a polícia francesa os escoltou até o tribunal para uma audiência na cidade de Douai, região próxima da fronteira com a Bélgica. A polícia lacrou portas, janelas e o portão da casa onde os restos mortais de alguns bebês foram encontrados. Nos últimos anos, a França tem registrado uma série de casos de mães que matam seus recém-nascidos e mantém e escondem os corpos.

Em um dos casos, Celine Lesage foi condenada a 15 anos de prisão em março após reconhecer no tribunal que matara seis de seus recém-nascidos, cujos corpos foram encontrados em sacos plásticos no porão de sua casa, no noroeste da França. Já Veronique Courjault foi condenada no ano passado pelo assassinado de seus recém-nascidos. Seu marido descobriu dois dos corpos num freezer enquanto os dois viviam na Coreia do Sul. Durante o julgamento, psiquiatras afirmaram que ela sofre de uma doença psicológica conhecida como "negação da maternidade".

Na Alemanha também foram registrados casos semelhantes. Em um deles, uma mulher foi condenada em 2006 pelo assassinato de oito de seus recém-nascidos e por enterrá-los em vasos de flores e num tanque de peixes no jardim da casa de seus pais, perto da fronteira entre a Alemanha e a Polônia.

Tudo o que sabemos sobre:
Françacasalassassinatofilhospromotor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.