Promotor pede indiciamento de suspeitos pela morte de ex-premiê libanês

Nomes dos acusados não foram revelados, mas acredita-se que incluam membros do grupo xiita Hezbollah.

BBC Brasil, BBC

17 de janeiro de 2011 | 17h42

Secretário-geral do Hezbollah exigiu que Líbano deixe de cooperar com tribunal da ONU

Um promotor que investigou o assassinato do ex-premiê libanês Rafik Hariri pediu a tribunal da ONU o indiciamento de suspeitos pela morte, ocorrida em 2005.

Em um comunicado emitido nesta segunda-feira, o tribunal especial das Nações Unidas não revelou os nomes dos acusados, mas acredita-se que entre eles figurem membros do grupo xiita Hezbollah.

Um juiz da corte agora decidirá se aceita os pedidos de indiciamento e se emite mandados contra os citados pelo promotor.

Na semana passada, o Hezbollah e seus aliados deixaram a coalizão de governo libanesa em meio a uma disputa sobre o Tribunal Especial sobre o Líbano.

O Hezbollah, que nega qualquer participação na morte de Hariri, diz que o tribunal é parte de um complô dos Estados Unidos e de Israel para atingir o grupo. A organização exige que o Líbano deixe de cooperar com o tribunal e pare de financiá-lo.

Discussões adiadas

"O promotor (Daniel Bellemare) do tribunal entregou um indiciamento e materiais de apoio para o juiz do pré-julgamento (Daniel Fransen)", a corte anunciou no comunicado, divulgado pela internet.

Funcionários da ONU disseram que as identidades dos suspeitos não serão divulgadas até que o juiz Fransen endosse os indiciamentos e emita os mandados, um processo que deve levar entre dois meses e três meses.

A crise política no país fez com que discussões sobre a nomeação de um novo primeiro-ministro libanês fossem adiadas para a próxima semana.

Rafik Hariri e outras 22 pessoas morreram quando uma explosão atingiu o comboio do ex-premiê, no centro de Beirute.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.