Promotor quer fechar partido islâmico turco

O promotor-chefe da Turquia pediu hoje à mais alta Corte do país que determine o fechamento de um partido islâmico que está na dianteira nas pesquisas de opinião para as eleições do dia 3 de novembro. O promotor Sabih Kanadoglu pediu à Corte Constitucional que determine o fechamento do Partido da Justiça e Desenvolvimento, afirmando que a agremiação violou as leis turcas, porque seu presidente, Recep Tayyip Erdogan, não está legalmente capacitado para dirigir um partido político.Erdogan passou quatro meses na prisão em 1999, por ter lido um poema que, segundo um tribunal, incitava o ódio religioso nesse país muçulmano, mas de caráter firmemente secular. Em virtude de sua condenação, Erdogan, ex-prefeito de Istambul, foi proibido de tomar parte nas eleições. Os promotores haviam ordenado que, até sábado, Erdogan renunciasse à liderança do partido e retirasse seu nome da lista de fundadores. Erdogan retirou seu nome da lista, mas se recusou a abdicar da liderança."Renunciar como fundador, mas continuar como líder ... foi um sinal claro de fraude da lei", afirma o indiciamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.