Promotora da ONU lamenta morte de Milosevic

A principal promotora da Organização das Nações Unidas (ONU), Carla del Ponte, disse neste domingo, 12, que a morte de Slobodan Milosevic, antes do final de seu julgamento, privou da justiça as vítimas do ex-presidente iugoslavo, e também torna mais urgente a prisão de Radovan Kradzic e Ratko Mladic, por supostos crimes de guerra. "É mais urgente do que nunca", disse Carla em entrevista coletiva sobre a detenção e extradição de Karadzic, líder sérvio-bósnio na época da guerra, assim como Mladic, que era comandante do exército. Ambos são acusados de crimes de guerra durante o conflito nos Bálcãs na década de 1990. Carla disse que os processos de oito suspeitos acusados pelo extermínio de mais de 8 mil muçulmanos em no enclave bósnio Srebenica, em 1995, ajudarão a esclarecer os dados da participação de Milosevic no que é chamado de o pior massacre na Europa desde a 2.ª Guerra Mundial. O julgamento de Milosevic estava no fim, disse Carla no Tribunal Penal da ONU para a antiga Iugoslávia. Após 466 dias passados, restavam cerca de 50.

Agencia Estado,

12 Março 2006 | 11h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.