Promotora do caso JonBenton pede que especulações sejam evitadas

A promotora dos EUA que investiga o assassinato de JonBenet Ramsey alertou contra a especulação sobre a possível culpa do suspeito John Mark Karr. Ela afirmou que "há muito mais trabalho" a ser feito no caso contra o suspeito e alertou para o risco de que "pulemos para as conclusões"Mary Lacy, que encabeçou a investigação pelo condado de Boulder, não revelou nenhum detalhe das evidências contra John Mark Karr, de 41 anos, que foi preso na quarta-feira, um dia depois de começar a ensinar em uma escola em Bangcoc, Tailândia. Em entrevista a agência Associated Press (AP), Karr disse que matou a menina por acidente. Lacy sugeriu que a prisão pode ter sido motivada por outras circunstâncias, inclusive a necessidade de garantir a segurança pública e o receio de o suspeito fugir. "Há circunstâncias que existem em qualquer caso que demanda a prisão antes da investigação estar terminada", disse Lucy. Ela se recusou a dizer se as autoridades estavam preocupadas com o fato de ele poder estar mentindo sobre ter matado a menina. Lacy disse que ele não foi formalmente acusado, e se recusou a especular sobre quais acusações ele pode encarar.Lacy disse que investigadores americanos estão na Tailândia, mas se recusou a fornecer uma data de quando Karr será levado para os EUA. Ela apenas afirmou que ele havia começado a trabalhar como professor numa escola internacional de segundo grau em Bangcoc na terça-feira e que havia viajado muito desde que deixou os EUA há anos atrás.. Um policial tailandês disse que Karr afirmou ter drogado a menina de seis anos, além de se relacionar sexualmente antes de matá-la "acidentalmente". JonBenet foi encontrada morta após ser espancada e estrangulada no porão da casa de sua família em Boulder, Colorado, em 26 de dezembro de 1996. A autópsia feita no dia seguinte não encontrou sinais de drogas ou álcool em seu sangue, mas havia sinais de abrasividade em sua vagina.Uma mulher da Califórnia que diz ser ex-mulher de Karr afirmou ao canal de TV KGO que ela estava com ele na ápoca do crime e que ele não estava envolvido no assassinato da menina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.