Mohammed al-Law/AP
Mohammed al-Law/AP

Promotores do Egito abrem caso contra ex-presidente Mubarak

Julgamento do ditador foi suspenso até a quarta-feira; ex-líder é acusado de tirania

Reuters

03 de janeiro de 2012 | 13h00

CAIRO - O Ministério Público do Egito, buscando uma condenação contra Hosni Mubarak sob acusações de ter ordenado o assassinato de manifestantes, tomou posição pela primeira vez na terça-feira, 3, criticando o registro político do ex-presidente em uma sessão que teve um fim abrupto decretado pelo juiz que preside o caso.

 

Veja também:
especialINFOGRAFIA: 
A lenta agonia de Hosni Mubarak

video TV ESTADÃO: Editor comenta eventos da Primavera Árabe
especialMAPA: A revolta que abalou o Oriente Médio
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe
especialESPECIAL: Veja a retrospectiva da Internacional
tabela ESPECIAL: Veja a retrospectiva de 2011

 

O chefe da equipe de promotoria de cinco membros disse que Mubarak, de 83 anos, sucumbiu à pressão familiar para arranjar uma transferência de poder para seu filho caçula, Gamal, que permaneceu ao lado do pai em uma cela no tribunal reservada ao réu.

 

Um advogado da defesa, Ismail Sha'er, falando depois que a sessão foi suspensa até quarta-feira, disse que a promotoria havia oferecido declarações sem "nenhuma base em evidência."

Mubarak, derrubado por um levante popular em fevereiro do ano passado, foi novamente levado para a corte no Cairo em uma maca hospitalar. Os médicos dizem que ele sofre de um problema cardíaco e que não pode ficar de pé por muito tempo.

O ex-presidente, seus dois filhos, o ex-ministro do Interior e agentes policiais enfrentam acusações que vão de corrupção até o envolvimento nas mortes de cerca de 850 manifestantes durante o levante que o derrubou.

"Ele concordou com a sucessão e sucumbiu às exigências de sua família e da esposa, que queria ser a mãe do próximo presidente depois de ter sido a mulher de outro," disse Mustafa Suleiman, chefe da equipe de promotores, apresentando uma versão amplamente aceita pelos egípcios e que ajudou a galvanizar a oposição a Mubarak.

Na primeira das três sessões reservadas para a promotoria para apresentar seu caso, Suleiman não falou sobre a acusação de que Mubarak teria ordenado o assassinato de manifestantes que se levantaram contra ele. Os promotores disseram que abordariam essa parte do caso na quarta-feira.

O juiz Ahmed Refaat adiou a sessão quando Suleiman tentou dar a palavra a outro membro da equipe de promotoria. A sessão durou cerca de 90 minutos. Sessões anteriores haviam durado várias horas.

Mubarak, que governou por três décadas, é o primeiro líder derrubado pela onda de protestos no mundo árabe a enfrentar julgamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.