Promotores pedem pena de morte para primo de Saddam

Promotores iraquianos pediram a pena de morte para o primo de Saddam Hussein, conhecido como Ali Químico, quando apresentaram seus argumentos finais nesta segunda-feira, 2, em um julgamento por genocídio contra os curdos no final dos anos 1980. Ali Hassan al-Majeed e outras cinco autoridades do partido Baath estão sendo julgados por suas participações na campanha de Anfal, de 1988. As acusações contra o próprio Saddam prescreveram quando ele foi executado em dezembro passado. "Exigimos a pena de morte para todos os réus...exceto Taher al-Ani, que pedimos que seja libertado por falta de evidência", disse à Reuters o promotor-chefe, Munkith al-Faroon. Ali era chefe do Comitê de Assuntos do Norte e governador da província de Mosul. Todos os seis réus foram acusados de crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Majeed também enfrenta a acusação de genocídio. Durante o Anfal, vilas foram declaradas "áreas proibidas" e arrasadas e bombardeadas. Milhares de moradores foram deportados, muitos executados. Majeed, conhecido como Ali Químico pelo suposto uso de armas químicas, admitiu durante o julgamento que ordenou os soldados a executarem todos os curdos que ignoraram ordens para deixar suas vilas, mas afirmou que não tinha por que pedir desculpas. Os réus disseram que Anfal tinha alvos militares legítimos - guerrilheiros curdos que se aliaram ao Irã durante a última fase da guerra Irã-Iraque entre 1980 e 1988.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.