Promotores pedem perdão para holandês anti-islâmico

Promotores holandeses pediram aos juízes que absolvam o político Geert Wilders das acusações de incitação ao ódio e discriminação contra muçulmanos. A medida assinala a crença dos promotores de que o caso contra Wilders não irá adiante, mas os juízes podem não concordar e condená-lo. O julgamento continua na próxima semana.

AE-AP, Agência Estado

15 de outubro de 2010 | 14h02

O promotor Paul Velleman disse no tribunal hoje que a maioria das declarações de Wilders - que incluem comparações entre o Islã e o nazismo - parecem ter como alvo o Islã como uma ideologia e não o objetivo de chamar a atenção sobre os muçulmanos.

Inicialmente, os promotores se recusaram a abrir o processo, mas receberam ordens de um tribunal de apelações para aceitá-las. De acordo com o tribunal, há evidências significativas contra o político.

Wilders é líder do Partido da Liberdade e luta contra a "islamização da Holanda". Ele afirma que sua política é baseada em "valores judeu-cristãos", mas suas visões já fizeram com que fosse proibido de entrar na Grã-Bretanha entre fevereiro e outubro de 2009, sob a alegação de que sua presença seria "uma ameaça a um dos interesses fundamentais da sociedade". A proibição foi posteriormente cancelada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.