AFP PHOTO / San Bernardino County Sheriff
AFP PHOTO / San Bernardino County Sheriff

Promotoria da Holanda investiga possível célula jihadista em centro de refugiados

Jornal Le Monde havia denunciado a existência de uma célula de membros do Estado Islâmico na cidade holandesa de Nijmegen

O Estado de S. Paulo

08 Junho 2016 | 14h54

BRUXELAS - A Promotoria da Holanda investiga a possível existência de uma célula jihadista em um centro de refugiados em Nijmegen, ao leste do país, informou na terça-feira a televisão pública do país Nos.

A investigação surge a partir da informação divulgada na semana passada pelo jornal francês Le Monde, que denunciou a existência de uma célula de membros da organização terrorista Estado Islâmico (EI) na cidade holandesa.

O Le Monde publicou na semana passada, com base no testemunho de Saleh A. - um ex-jihadista que se entregou às autoridades francesas em fevereiro - que uma célula de 20 pessoas do EI vivia em Nijmegen e fazia parte de um grupo mais amplo, do qual três membros foram detidos na semana passada em Düsseldorf, na Alemanha.

O ministro da Justiça da Holanda, Ard van der Steur, confirmou que seu Executivo está a par da informação e que a investigação já começou. "Estamos atentos aos abusos nos centros de asilo por parte de terroristas e este caso confirma nossas preocupações", disse o ministro no Parlamento holandês, embora posteriormente tenha advertido que não ia comentar sobre investigações em curso.

Segundo informa a Nos, autoridades holandesas já sabem quem são os envolvidos e onde se encontram atualmente, mas não há provas suficientes para prendê-los por enquanto.

Saleh A. se entregou à polícia francesa em fevereiro para advertir sobre um ataque iminente e desde então se encontra em prisão preventiva. O indivíduo delatou a célula islamista desarticulada em 3 de junho na Alemanha, o que levou à detenção de três cidadãos sírios que tinham intenção de promover um atentado com até 10 terroristas na cidade de Düsseldorf.

Nijmegen abrigou o maior centro de refugiados do país até seu fechamento em maio, mas ainda não está comprovado se as informações do Le Monde apontam para esse campo, segundo o jornal NRC.

Apesar das informações, o Centro Coordenador para Segurança e Antiterrorismo (NCTV) não elevou por enquanto o nível de alerta terrorista nos Países Baixos.

O responsável pela luta contra o terrorismo da Holanda, Dick Schoof, alertou em março que havia sinais que indicavam que militantes do EI haviam tentado se aproveitar da crise de refugiados para entrar na Europa. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.