Leah Millis/Reuters
Leah Millis/Reuters

Promotoria de Nova York investiga Trump e sua empresa por fraude

Gabinete do promotor federal Cyrus Vance Jr. divulgou a informação em um novo processo judicial argumentando que Trump deveria entregar suas declarações fiscais

William Rashbaum / The New York Times, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2020 | 15h12

NOVA YORK - O promotor público federal de Nova York Cyrus Vance Jr. afirmou nesta segunda-feira, 3, que está investigando o  presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e sua empresa por possíveis fraudes bancárias e de seguros, uma investigação significativamente mais ampla do que a promotoria admitiu no passado.

O gabinente de Vance divulgou a informação em um novo processo federal argumentando que Trump deveria cumprir a intimação que exige a publicação de oito anos de suas declarações de impostos pessoais e corporativos. Trump pediu a um juiz que declarasse a intimação inválida.

Os promotores não divulgaram detalhes da investigação, mas disseram que as informações "indiscutíveis" sobre as práticas comerciais de Trump deixaram claro que o escritório tinha uma base legal para a intimação.

Os relatórios, incluindo investigações sobre a riqueza do presidente e detalhes do testemunho de seu ex-advogado Michael Cohen, mostram que o presidente pode ter inflado ilegalmente seu patrimônio líquido e o valor de suas propriedades a credores e seguradoras. Advogados de Trump disseram que ele não fez nada de errado.

O conflito sobre a intimação que pede a entrega das declarações de Trump ocorre menos de um mês depois de a Suprema Corte, em uma decisão importante sobre os limites do poder presidencial, abrir caminho para os promotores de Nova York solicitarem acesso aos registros financeiros de Trump.

A apresentação dos promotores veio em resposta a um argumento que Trump fez na semana passada, chamando a intimação de Vance, um democrata, de "descontroladamente desmedida" e emitida de má-fé.

O gabinete de Vance intimou a empresa de contabilidade de Trump, Mazars USA, em agosto de 2019, solicitando as declarações de impostos como parte de sua investigação, que até agora se acreditava estar focada em pagamentos ocultos feitos durante a campanha de 2016 para comprar o silêncio de duas mulheres que disseram ter tido relações com Trump, incluindo a atriz pornô Stormy Daniels.

Cohen organizou os pagamentos para Daniels e a outra mulher, a modelo Karen McDougal. O escritório de Vance está investigando se alguma lei eleitoral do Estado de Nova York foi violada quando esses pagamentos foram feitos.

Trump luta contra a intimação há quase um ano, argumentando inicialmente que, como presidente, ele estava imune à investigação criminal do Estado.

A posição de Trump foi rejeitada pela Suprema Corte no mês passado, mas disse que ele poderia voltar ao tribunal de primeira instância em Manhattan, onde processou pela primeira vez para bloquear a intimação, e levantar novos argumentos.

Em uma audiência recente, o escritório de Vance disse ao juiz federal Victor Marrero, de Nova York, que Trump estava apenas travando a luta legal para se proteger efetivamente da investigação criminal.

"O que os advogados do presidente estão buscando aqui é o atraso", disse Carey R. Dunne, promotora assistente de Vance, ao juiz. Dunne disse que, quanto mais tempo Trump combater o caso, maior a chance de o prazo prescricional expirar por possíveis crimes que possam ter sido cometidos, garantindo efetivamente imunidade ao presidente.

Jay Sekulow, advogado do presidente, negou após a audiência que os advogados de Trump estavam adotando uma estratégia de atraso. "Nossa estratégia busca o devido processo", disse Sekulow em um email na ocasião.

Cohen, que se declarou culpado de violar o financiamento da campanha federal por seu papel nos pagamentos, está cumprindo uma sentença de 3 anos de prisão em confinamento em casa, em seu apartamento em Manhattan.

Se Vance conseguir, eventualmente, obter os registros de Trump, é improvável que eles se tornem públicos, porque serão protegidos pelas regras de sigilo do júri. Os registros só poderão surgir mais tarde se forem apresentadas acusações criminais e os registros forem apresentados em um julgamento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.