Promotoria negocia destino de Strauss-Kahn

Segundo o jornal ''The New York Times'', ex-diretor do FMI poderia confessar um crime menor para livrar-se da acusação de agressão sexual

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / NOVA YORK

Depois de uma reunião de duas horas, os advogados de defesa de Dominique Strauss-Kahn e promotores de Nova York disseram que houve avanços, apesar de ainda não terem chegado a um acordo para o encerramento do caso no qual o ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) é acusado de agressão sexual por uma camareira.

"Tivemos um encontro construtivo", disse o advogado de defesa, Benjamin Brafman, ao sair da reunião com os promotores. Cyrus Vance, procurador-geral de Nova York, não teria participado do encontro. Segundo o New York Times, em informação não confirmada, está sendo negociado um acordo para que Strauss-Kahn confesse um crime menor, mas seja libertado sem precisar cumprir pena.

Após a reunião, a promotoria de Manhattan informou que nenhuma decisão sobre o caso tinha sido tomada e as investigações prosseguiriam. O advogado da camareira pediu ontem a substituição de Vance no caso, alegando "conflito de interesses" da empresa jurídica do procurador-geral. Mas Vance disse que não deixará o caso.

Na semana passada, o economista foi libertado da prisão domiciliar depois de a suposta vítima ter dado informações contraditórias sobre os minutos posteriores à agressão sexual que ela disse ter sofrido em um hotel de Manhattan em maio. A camareira teria falado a um namorado preso por tráfico de drogas sobre os benefícios financeiros do processo e mentido em sua petição de asilo político.

Strauss-Kahn pode circular livremente pelos EUA depois de passar mais de um mês em uma prisão domiciliar no sofisticado bairro de Tribeca. Incluindo aluguel e gastos com a segurança privada, exigidos pela promotoria, ele estava gastando cerca de US$ 250 mil mensais, bancados pela mulher dele, Anne Sinclair, uma jornalista e herdeira milionária.

Na avaliação da promotoria, após as descobertas sobre a camareira, seria complicado levar o caso para julgamento e a expectativa é a de que o episódio se encerre em alguns dias.

A próxima audiência está marcada para o dia 18. Ainda que seja absolvido, Strauss-Kahn deve enfrentar uma acusação de tentativa de estupro na França. Uma jornalista o acusa de ter tentado atacá-la sexualmente em 2003, quando ela tinha 23 anos. Antes de ser detido, ele era favorito para vencer as eleições presidenciais francesas no ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.