Promotoria passa à Justiça caso de menina britânica desaparecida

A Promotoria de Portugal passou para aJustiça o caso contra os pais da menina britânica MadeleineMcCann, que desapareceu de um resort português. Um juizcriminal decidirá se há fundamentos para a realização de umjulgamento. Gerry e Kate McCann partiram rumo à Grã-Bretanha no domingodepois de terem sido declarados suspeitos pelo sumiço deMadeleine, 4, no dia 3 de maio, do quarto de um apartamento nobalneário de Algarve enquanto os dois jantavam por perto. "O caso foi submetido a um juiz criminal, que decidirásobre isso em um momento oportuno", disse uma porta-voz daPromotoria de Algarve em um comunicado televisionado. O juiz pode decidir se há provas suficientes para umjulgamento ou rejeitar o caso por falta de evidências. Aporta-voz não deu detalhes das provas ou quais acusações osMcCanns podem enfrentar no caso. Mas a Promotoria disse que os próximos passos dainvestigação seriam decidir, dentro de 10 dias, a inclusão dequaisquer novas medidas contra o casal. Em comunicado, o promotor de Algarve também disse queestava passando o caso para um colega mais graduado em umaregião vizinha, em sinal de importância da situação. Os pais da menina negaram qualquer envolvimento no caso.Parentes afirmaram que os McCann regressariam a Portugal se apolícia assim o desejasse. Os arquivos incluem os resultados de exames forensesrealizados em material colhido em vários locais da Praia daLuz, de onde Madeleine desapareceu, e os interrogatóriosrealizados com os McCann. Os dois foram interrogados durantevárias horas na semana passada. A prova forense poderia decidir se o DNA de Madeleineestava no carro alugado pelos McCann depois do desaparecimentoda menina. Alípio Ribeiro, chefe da polícia judicialencarregada de investigar o caso, afirmou que as provas nãoeram conclusivas. "Recebemos várias análises, mas nenhuma delas conseguiuatingir 100 por cento de certeza. Em outras palavras, nãoconseguimos dizer se o sangue pertence a A ou a B", disse aocanal de TV RTP em uma entrevista divulgada na noite desegunda-feira. Depois do sumiço de Madeleine, os McCann lançaram umagrande campanha na Europa toda tentando encontrá-la. A políciaafirmou acreditar que a garota esteja morta. Kate McCann disse a um jornal que os detetives portuguesespressionaram-na para que confessasse ter matado acidentalmentea própria filha. "Eles querem que eu minta. Estão tentando meincriminar", disse, segundo a edição do jornal Sunday Mirrorpublicada no domingo passado. (Reportagem adicional de Anna Valderrama em Algarve eCarlos Pontes em Lisboa)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.