Proposta de reforma da saúde nos EUA corta US$ 30 bi

O projeto de reforma do sistema de saúde dos Estados Unidos dos democratas da Câmara dos Representantes implica em um preço total de US$ 894 bilhões em dez anos - pouco abaixo do limite de US$ 900 bilhões estabelecido pelo presidente Barack Obama.

AE, Agencia Estado

29 de outubro de 2009 | 20h47

A proposta de lei inclui uma combinação de cortes em programas existentes e novos impostos, incluindo um imposto adicional sobre os americanos com renda mais alta, para contrabalançar plenamente seus custos para o orçamento federal. O projeto vai efetivamente produzir uma poupança líquida de US$ 30 bilhões ao longo dos primeiros dez anos, de acordo com um resumo divulgado pelos democratas.

O líder da maioria na Câmara, o democrata Steny Hoyer, disse que a casa pode começar o debate amanhã, com uma possível votação no final de semana.

A extensa proposta, de 1.990 páginas, vai exigir que os indivíduos comprem planos de seguro-saúde, vai estabelecer troca de seguro e proporcionar crédito tributário para que as famílias de baixa e média renda comprem um plano. O projeto de lei inclui uma versão de compromisso de uma opção de seguro público que usa taxas negociadas com médicos e hospitais.

Para atender as metas de custo, os líderes da Câmara voltaram atrás nos subsídios propostos em uma primeira versão do projeto de lei. A proposta expande a elegibilidade para o Medicaid para famílias de quatro integrantes com renda de US$ 33.075. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAreformasaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.