Proposta eleitoral de Sarkozy irrita Alemanha

A proposta do presidente da França, Nicolas Sarkozy, de pressionar o Banco Central Europeu (BCE) a estimular o crescimento na Europa causou ontem atrito com o governo da Alemanha. Um dia após o comício no qual o chefe de Estado pregou mudanças na instituição, o porta-voz da chanceler Angela Merkel advertiu que a "independência absoluta" da instituição não pode ser posta em questão.

ANDREI NETTO , CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2012 | 03h03

O tema virou o centro da campanha eleitoral às vésperas do primeiro turno da votação presidencial de domingo e é uma das principais bandeiras do candidato socialista, François Hollande, apontado como favorito pelas últimas pesquisas.

A reviravolta na posição de Sarkozy foi dada durante comício na Praça da Concórdia, no centro de Paris, no domingo. Até aqui, o presidente enfatizava a austeridade para tirar a França e a zona do euro da linha de tiro na crise das dívidas soberanas.

Agora Sarkozy afirma que, se reeleito, pretende "lançar a discussão" sobre a reforma do papel do banco central, cuja função hoje é controlar a inflação, mais do que estimular a economia.

Desde o início da campanha, Hollande prega que o bloco precisa incrementar as políticas de crescimento para sair da turbulência. Entre suas propostas, está a revisão das atribuições do BCE. Ainda que com ressalvas, o jornal Financial Times elogiou a posição do socialista. "Não estaríamos nessa situação se o banco central tivesse intervindo no início da crise na Grécia para recomprar dívidas soberanas", acusou ontem Hollande, prometendo dar prioridade ao tema em caso de vitória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.