Prosseguem protestos contra ´difamação´ ao Islã

Os protestos do mundo muçulmano contra a publicação de caricaturas do profeta Maomé continuam. Nesta sexta-feira, cerca 200 manifestantes queimaram uma bandeira da Dinamarca e jogaram ovos e tomates contra o edifício da embaixada deste país em Jacarta, na Indonésia. "Não somos terroristas, não somos anarquistas. Somos contra aqueles que blasfemam o Islã", afirmou um dos manifestantes diante do prédio que abriga, no 25º andar, a missão diplomática dinamarquesa. Em seguida, os manifestantes foram à sede do jornal local Rakyat Merdeka, que foi duramente criticado pela reprodução de uma das caricaturas em seu site, para ilustrar um artigo contrário às charges.Os editores do jornal retiraram a ilustração poucas horas depois por causa do enorme número de telefonemas, críticas e ameaças recebidos.Além dos protestos de Jacarta, mais ou menos 50 manifestantes repreenderam o diretor da Cruz Vermelha Dinamarquesa, Jorgen Paulsen, durante sua visita a Macasar, capital da região meridional da ilha de Célebes."Por favor, diga ao seu país que condenamos a ação", disse o coordenador deste protesto, Dasdaf Latief, segundo o meio digital "Detiknews".As autoridades indonésias reiteraram hoje sua condenação à publicação das caricaturas de Maomé e destacaram que a liberdade de expressão tem limites."Como país democrático somos muito conscientes da liberdade de expressão, mas também achamos que ela não deve ser usada para caluniar ou difamar símbolos religiosos", disse um porta-voz oficial.O Islã proíbe qualquer representação gráfica do profeta Maomé, que considera idolatria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.