Prostitutas francesas protestam contra nova lei

Usando máscaras brancas com lágrimas pintadas, centenas de prostitutas - e prostitutos - protestaram em frente ao Senado francês, contra um forte golpe do governo contra seu meio de vida. Os manifestantes afirmam que uma nova lei anticrime, sob apreciação do Parlamento, inclui medidas mais duras contra a prostituição e tornaria a vida dos profissionais ainda mais difícil.?Essa lei não nos deixará trabalhar. O que querem que façamos? Não sei fazer mais nada?, disse uma manifestante mascarada que declarou estar na profissão há 20 anos.Os 500 manifestantes dirigiram suas críticas mais ferozes ao ministro do Interior, Nicolas Sarkozy, principal força por trás da nova lei. Ele foi chamado de ?assassino?. Muitas das faixas levadas ao protesto citavam-no pelo nome. A lei anticrime, uma medida ampla que aumenta os poderes da polícia, torna mais restritas as normas para porte de armas e cria punições para mendicância e vadiagem, foi aprovada pelo Gabinete no mês passado. Ela ainda precisa de aprovação parlamentar para entrar em efeito.O governo francês, de centro-direita, chegou ao poder em junho e entrou numa grande campanha pública contra a prostituição, como parte do esforço para conter a crescente taxa de criminalidade do país. O ministro Sarkozy tem sido a principal figura da cruzada. Pouco depois de assumir o cargo, convidou equipes de televisão a acompanhá-lo num passeio pelas ruas de Paris, em busca de prostitutas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.