Proteína pode ser a causadora do mal da vaca louca

Cientistas israelenses informaram ter descoberto proteínas comuns - chamadas príons - que podem ser as causadoras da encefalopatia espongiforme bovina (EEB), ou doença da vaca louca. As proteínas foram encontradas na urina de animais e humanos que apresentaram sintomas da doença. A descoberta pode ajudar no desenvolvimento de um teste simples para a detecção da EEB e de sua variante humana, o mal de Creutzfeldt-Jakob. O principal problema dos testes existentes hoje é que eles só podem ser realizados em animais mortos. Em seres humanos, o mal só é detectado quando os sintomas aparecem, geralmente depois de um longo período de incubação. Muitas vezes, a confirmação só vem após a morte do paciente. "Estamos muito otimistas", afirmou Ruth Gabizon, pesquisadora cuja equipe - da Universidade de Hadassah - fez a descoberta. "O objetivo agora é fazer parceria com alguma companhia e produzir testes de laboratório em grande escala dentro de um ano", disse. Os detalhes da pesquisa serão publicados em setembro no Journal of Biological Chemistry. "Se a descoberta funcionar, será um tremendo avanço", afirmou Robert Petersen, cientista-chefe do Prion Development Laboratories, empresa que também pesquisa novos testes de detecção de vaca louca. Ainda não se sabe se a variante humana da doença pode ser transmitida via transfusões, mas autoridades de ambos os lados do Atlântico começam a se preocupar com essa possibilidade, principalmente porque a Europa exporta grandes quantidades de sangue para os Estados Unidos. Recentemente, autoridades americanas impuseram restrições a doadores que viajaram ou viveram na Grã-Bretanha, país onde a doença mais se manifestou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.