Protesto bloquea entrada de Corte Constitucional ucraniana

Milhares de oponentes do primeiro-ministro ucraniano, Viktor Yanukovych, bloquearam as entradas da Corte Constitucional do país nesta quarta-feira, 18, para impedir a realização do segundo dia de audiências sobre um decreto presidencial para dissolver o parlamento. A manifestação provocou interferência da polícia, que atuou para garantir que os juízes entrassem no prédio em segurança.A sessão começou mais de uma hora após policias terem dado as mãos e formado um corredor para proteger os juízes e garantirem a passagem deles por entre os manifestantes, que carregavam bandeiras. Entre os manifestantes, estavam legisladores rivais, que empurravam ao lado de fora dos portões da Corte.O presidente, pró-Ocidente, Viktor Yushchenko, assinou o decreto de dissolução no dia 2 de Abril, acusando seu arqui-rival e premier de tentar usurpar o poder. Yanukovych, que possui maioria no Parlamento, disse que a medida é inconstitucional e apelou para a Corte Constitucional. Tanto Yushchenko quanto Yanukovych concordaram em aceitar a decisão que tomar a Corte, de 18 juízes, mas o bloco formado pela ex-premier Yulia Tymoshenko e partidários do presidente que acreditam que a corte é tao corrupta que não vai prover uma decisão.A Corte tem um mês para se decidir, mas tudo indica que uma decisão não será o suficiente para acabar com a crise política que mobiliza o país. Tymoshenko, uma das líderes da Revolução Laranja, disse em uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira aos seus partidários que "a hora chegou para apelar aos cidadãos ucranianos e aos patriotas". Ocorrida nas eleições presidenciais de 2004 em favor da democracia, a Revolução Laranja foi composta de protestos em massa, onde Yushchenko encaminhou seus partidários para a Praça da Independência de Kiev, para protestar contra a vitória fraudulenta do rival Yanukovych, que foi revogada pela Corte Suprema. Centenas de milhares de pessoas paralizaram a capital por semanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.