Protesto causa prisões em massa na Califórnia

Enquanto tensão racial diminui em Missouri, polícia prende 200 pessoas em Los Angeles e em Oakland após terceira noite de manifestações

SAINT LOUIS, EUA, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2014 | 02h02

As manifestações na Califórnia se intensificaram na noite de quarta-feira, enquanto os protestos em Ferguson, no Estado de Missouri, perderam força em relação aos atos do início da semana. A decisão de um júri, na segunda-feira, de não indiciar o policial branco Darren Wilson pela morte do jovem negro Michael Brown, desarmado, desencadeou uma série de protestos nos EUA.

Os moradores começaram ontem os trabalhos de limpeza do maltratado subúrbio de Ferguson, tentando fazer com que as coisas retornassem o mais próximo da normalidade. Ao mesmo tempo, um grupo de pessoas se reuniu no centro de Saint Louis ontem para uma carreata "em favor da comunidade", como afirmou o organizador Paul Ryan.

Segundo ele, a carreata era pacífica e tinha o objetivo de se contrapor à violência vista no início da semana em Ferguson. A carreata, que teve início perto do Busch Stadium, foi escoltada por uma viatura policial. Nenhum manifestante apareceu.

Em Ferguson, comerciantes e moradores cobriram janelas e vitrines quebradas e retiraram o lixo esperando que a relativa calma se mantivesse durante todo o dia de ontem, feriado de Ação de Graças.

Na noite de quarta-feira, não houve notícias de confrontos importantes ou danos à propriedade em Ferguson, quando cerca de cem pessoas realizaram uma manifestação sob uma nevasca. Segundo a polícia do Condado de Saint Louis, a que pertence Ferguson, duas pessoas foram presas. Nos dois dias anteriores, as autoridades realizaram mais de cem prisões.

Soldados com rifles foram instalados em cruzamentos e estacionamentos numa área onde lojas foram saqueadas e queimadas na noite de segunda para terça-feira.

Desde que a decisão do júri foi anunciada, as manifestações têm sido constantes em outras cidades dos EUA. O caso inflamou os ânimos, desencadeando debates sobre as relações entre as comunidades negras e a polícia.

No geral, os atos são pacíficos. No entanto, pelo menos 130 manifestantes que se recusaram a se dispersar durante um protesto em Los Angeles, na Califórnia, foram presos na noite de quarta-feira. Nas ruas da cidade era possível ver manifestantes atirando objetos contra os policiais, imagens que contrastaram com restante do país, com pequenas e contidas concentrações que nada tiveram a ver com as interdições de estradas e pontes do dia anterior. Na mesma noite, outras 35 pessoas foram detidas em Oakland, no mesmo Estado, após uma marcha de protesto que degenerou em tumulto e vandalismo, segundo a polícia. / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.