Khalil Hamra/AP
Khalil Hamra/AP

Protesto contra governo militar provisório reúne milhares no Egito

Mais de 50 mil foram à Praça Tahrir para pedir a aceleração na transição para o regime civil

Reuters

18 de novembro de 2011 | 16h39

CAIRO - Mais de 50 mil egípcios compareceram nesta sexta-feira, 18, à praça Tahrir, no Cairo, para pressionar a junta militar a apressar a transferência do poder para um governo civil, depois de o gabinete interino apresentar uma proposta constitucional que reafirma o poder das Forças Armadas.

 

Os manifestantes - em sua maioria islâmicos - entoaram cânticos religiosos antes das preces da sexta-feira, enquanto outros distribuíam panfletos exigindo a retirada da proposta constitucional e a realização de eleições presidenciais até abril.

 

"Será que o governo quer humilhar o povo? O povo se revoltou contra (o ex-presidente Hosni) Mubarak, e vai se revoltar de novo contra a Constituição que querem nos impor", gritou um membro de um grupo islâmico salafista pelo alto falante, para aplausos da multidão. A presença da multidão na praça Tahrir lembrava os 18 dias de ocupação desse espaço, no começo do ano, que resultou na deposição de Mubarak.

 

O Egito realizará eleições parlamentares em 28 de novembro, mas o processo pode ser prejudicado se os partidos políticos e o governo não chegarem a um acordo sobre o anteprojeto constitucional que coloca os militares a salvo de qualquer supervisão parlamentar, potencialmente permitindo que as Forças Armadas desafiem um governo eleito.

 

Pelo menos 39 partidos e grupos políticos disseram em nota que vão se manifestar para "proteger a democracia e a transferência de poder". Negociações entre os grupos islâmicos e o gabinete foram rompidas.

 

Os partidos e movimentos salafistas - que seguem ensinamentos islâmicos ortodoxo - foram os primeiros a galvanizar apoio para o protesto desta sexta-feira. A Irmandade Muçulmana e vários partidos liberais aderiram posteriormente. Os grupos islâmicos montaram seu próprio palanque, e a praça ficou dividida entre os diversos grupos políticos - exceto no momento da oração.

 

Viagem

 

Milhares de salafistas chegaram ao Cairo vindos de diferentes partes do país. Muitos agitavam bandeiras e cantavam o hino nacional. "Viemos de ônibus do Delta (do Nilo). Fomos convocados a vir demonstrar nossa recusa ao regime militar e nosso apoio ao regime civil", disse Mohamed Ali, militante do partido salafista Al-Asalah.

 

Na cidade portuária de Alexandria, milhares de pessoas participaram de um protesto semelhante, e pretendiam posteriormente ir em passeata até um quartel. "Fomos exigir mudança, mas tiraram Mubarak, e trouxeram o marechal", gritava a multidão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.