Protesto contra guerra do Iraque reúne milhares nos EUA

Dezenas de milhares de manifestantes foram às ruas de Washington, no sábado, para protestar contra a guerra do Iraque, o projeto do presidente George W. Bush de enviar 21,5 mil soldados para o país e pedir a retirada das tropas americanas.O evento contou com a presença de astros de Hollywood, como o ator Sean Penn, que já visitou o Iraque em mais de uma ocasião, e a atriz Jane Fonda, que se celebrizou por protestos similares feitos na época da Guerra do Vietnã. Durante um discurso para a multidão, Fonda chegou a afirmar: "Eu não discursava em um evento contra a guerra há 34 anos, mas o silêncio não é mais uma opção". Além da atriz, outros astros participaram do evento, como os atores Tim Robbins, Susan Sarandon e Danny Glover. O protesto também contou com a presença do reverendo Jesse Jackson e de congressistas democratas que se opõem à escalada do conflito.EmoçãoJackson fez um discurso que emocionou muitos dos presentes, no qual pediu a adesão de todos à condenação da guerra no Iraque, independentemente de sua etnia ou filiação política. Célebres nomes do Partido Democrata que vêm criticando a guerra não estiveram presentes na manifestação. Os participantes registraram a ausência, gritando slogans nos quais pediam que alguns dos presidenciáveis democratas, como a senadora Hillary Rodhan Clinton e o senador Barack Obama não cedam a verba necessária para o aumento do número de soldados no Iraque. A concentração de militantes contra a guerra teve início ainda pela manhã. Ônibus trazendo centenas de manifestantes vieram de várias partes do país O público da passeata misturou jovens, idosos e até mesmo bebês de colo trazidos por seus pais. Entre os participantes, havia desde veteranos da guerra do Vietnã, que exibiam cartazes nos quais comparavam o conflito no Sudeste Asiático à guerra atual, até jovens anarquistas vestidos de negro e fazendo uma sonora batucada em frente à sede do Congresso. Alguns dos participantes permaneceram na frente do Congresso gritando slogans exigindo que deputados da casa vetassem o financiamento necessário para o aumento de tropas. Muitos manifestantes pediam o impeachment do vice-presidente Dick Cheney e do presidente George W. Bush. Cartazes chamando Bush de "criminoso de guerra" eram exibidos em fartura. Apesar de haver contado com uma significativa multidão, o protesto não conseguiu reunir o número de participantes esperado pelos organizadores do evento - na faixa de 300 mil pessoas. Os participantes, em sua maioria, protestaram de forma bem-humorada, ostentando bonecos, fantasias e símbolos da paz que remetiam às manifestações dos anos 60.Muitos aproveitaram também para ganhar alguns trocados, vendendo bottons, que diziam frases como "Reelejam Al Gore em 2008", e "Os Tempos Estão Mudando", em referência a uma clássica canção de protesto de Bob Dylan. Não houve incidentes durante a manifestação, mas muitos dos participantes criticaram a ação da polícia que bloqueou algumas das vias pelos quais os manifestantes pretendiam passar. Houve até um momento em que o reverendo Jesse Jackson e o ator Sean Penn tiverem de negociar com policiais o desbloqueio de uma avenida.O ator de Sobre Meninos e Lobos, notório por sua aversão a fotógrafos, foi o alvo de numerosos papparazzi, mas demonstrou bom humor e reagiu com tranqüilidade aos flashs disparados em sua direção. Ele esteve no comando da marcha, ao lado de Jesse Jackson e de ativistas de direitos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.