Protesto contra orçamento reúne milhares em Bruxelas

Milhares de trabalhadores em vários países da Europa protestam hoje contra os planos de corte de gastos públicos adotados por membros da União Europeia (UE). Em Bruxelas, capital da Bélgica e sede da UE, a polícia fortaleceu a segurança em frente a bancos e lojas, além de cercar a sede do bloco europeu, onde líderes trabalhistas esperam reunir até 100 mil pessoas, de 30 países. A polícia belga não forneceu dados sobre o número de pessoas que já estão nas ruas da capital, mas sindicalistas e observadores estimam que o número de 100 mil deve ser alcançado. Esta é a maior manifestação na cidade desde 2001, quando 80 mil pessoas invadiram a capital belga.

AE, Agência Estado

29 de setembro de 2010 | 13h42

A polícia informou que 148 pessoas já foram detidas preventivamente, segundo o porta-voz Christian de Coninck, que descreveu os presos como "encrenqueiros que carregavam objetos que não fazem parte da manifestação". O presidente do sindicato francês CGT, Bernard Thibault, defendeu que o plano dos manifestantes é "evitar que uma crise social sem precedentes se some à crise financeira, fazendo com que os trabalhadores arquem com o custo". "Estamos aqui para dizer ''não'' ao vários planos de austeridade adotados pelos governos ou pelas instituições europeias", disse Thibault, no início da manifestação.

Na Espanha, manifestantes entraram em confronto com a polícia, enquanto os sindicatos locais decidiram lançar uma greve geral de 24 horas contra as reformas econômicas no país e no bloco europeu. A greve já provocou problemas no transporte público durante o horário de pico da manhã e forçou as empresas aéreas a cancelar voos. Na Espanha, os sindicatos afirmaram que 70% dos trabalhadores aderiram à paralisação, informa o jornal El País em seu site. O governo afirmou que a greve "transcorre com normalidade", mas o transporte público opera em níveis mínimos, segundo o diário.

Milhões de empregos foram extintos no bloco europeu e muitos outros podem desaparecer, conforme os governos elevam os cortes no orçamento. Na Espanha, por exemplo, um em cada cinco trabalhadores está desempregado. O protesto desta quarta-feira é feito no momento em que a UE discute um plano para punir com multas os governos que mantêm déficits acima do permitido pelo bloco.

As propostas detalhadas sobre esse tema foram divulgadas nesta quarta-feira, pelo braço executivo do bloco que reúne 27 nações, a Comissão Europeia. Os ministros de Finanças da UE também se preparam para uma reunião nesta quinta-feira, em Bruxelas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EuropacriseprotestosempregosBruxelas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.