Protesto contra presidente reúne 3 mil nas Filipinas

Gloria Arroyo é acusada de querer permanecer no poder mediante uma reforma constitucional

Efe

27 de julho de 2009 | 05h03

 

Cerca de três mil pessoas protestam contra a presidente filipina, Gloria Macapagal Arroyo, nos arredores do Parlamento, onde acontecerá o último debate sobre o estado da nação do mandato de Arroyo, acusada de querer permanecer no poder mediante uma reforma constitucional.

 

Apesar do caráter pacífico dos protestos, oito militares à paisana foram atacados pelos manifestantes ao grito de "espiões" e tiveram que ser hospitalizados.

 

A capital se encontra em alerta máximo de segurança e as aulas em colégios e institutos foram suspensas. Cinco mil policiais e 900 militares vigiam os arredores da Câmara, situada em Quezón City, uma das cidades que formam a metrópole da Grande Manila.

 

Marcha contra a presidente nesta segunda-feira, 27.  Foto: Dennis M. Sabangan/Efe

 

 

Arroyo chegou ao poder em 2001 após a queda de Joseph Estrada e está há quase nove anos na Presidência, nos quais superou quatro tentativas de golpes de Estado e outros quatro processos de cassação.

 

A presidente atualmente goza de baixos índices de popularidade, após descumprir suas promessas de acabar a corrupção e a fome, que atualmente afeta uma em cada cinco famílias do país, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira, 27.

Tudo o que sabemos sobre:
Gloria ArroyoFilipinasprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.