Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Protesto contra repreensão no Tibete reúne 200 em Jacarta

Manifestantes pedem que governo chinês 'pare com a brutalidade' e inicie diálogo com dalai-lama

Efe,

31 de março de 2008 | 17h13

Cerca de 200 pessoas, na maioria monges budistas e ativistas, fizeram uma manifestação nesta segunda-feira, 31, em frente à embaixada da China em Jacarta, em protesto contra a repressão chinesa aos tibetanos. No protesto, convocado por uma coalizão de ONGs, os manifestantes exigiram que o governo chinês "pare a brutalidade no Tibete" e que inicie o diálogo com o dalai-lama.  Veja também:Tocha olímpica chega à China; Pequim critica o Dalai LamaRio tem manifestação contra presença chinesa no TibeteCapital do Tibete volta aos poucos ao normal, diz diplomata brasileiroTibetanos prometem mais protestos em revezamento da tochaEntenda os protestos no Tibete  Os manifestantes pediam ainda que a tocha olímpica não passe por território tibetano, segundo um responsável de uma organização indonésia. O ato, que durou cerca de duas horas, contou com várias atuações musicais e artísticas, assim como com uma dramatização na qual vários policiais chineses espancavam um monge budista. Alguns gritaram palavras de ordem a favor da independência da região, enquanto outros apenas exigiram que o Pequim coloque fim à violenta repressão. Nesta segunda-feira, a China elevou o tom de seus ataques ao dalai-lama, a quem acusa de abusar da religião, promover distúrbios no Tibete e preparar a independência da região. No mesmo dia, a tocha olímpica chegou a Pequim, sob rígida segurança.  "O auto-intitulado líder espiritual obviamente esqueceu sua identidade, abusou da sua religião e jogou demais com a política", informou a agência de notícias estatal da China, acusando o dalai-lama de construir uma "infra-estrutura pró-independência." Os distúrbios no Tibete começaram no início de março, com manifestações que lembravam a fracassada revolta local que em 1959 forçou a ida ao exílio do dalai-lama e provocaram uma violenta repressão por parte do governo chinês.  

Tudo o que sabemos sobre:
TibeteChinaprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.