Protesto cresce na Caxemira após mortes em passeata

Dezenas de milhares de manifestantes protestaram nas ruas das cidades da Caxemira indiana nesta sexta-feira, após forças do governo da Índia terem disparado e matado quatro pessoas e ferido outras 31, informou a polícia. Dois meses de choques entre os manifestantes e as forças indianas já deixaram 55 mortos no estado, o único da Índia onde a maioria da população é muçulmana.

AE-AP, Agência Estado

13 de agosto de 2010 | 17h12

Na cidade de Bombai, que fica ao noroeste da capital estadual, Srinagar, soldados paramilitares abriram fogo contra a multidão, após milhares de manifestantes jogarem pedras na polícia. Duas pessoas foram mortas e pelo menos quatro ficaram feridas, disse um policial. Em Pattan, no norte da Caxemira, as tropas atiraram numa multidão que desafiava o toque de recolher na cidade e mataram um homem de 65 anos, ferindo outros dois. Quando a notícia do tiroteio se espalhou pela cidade, milhares de moradores foram para as ruas e entraram em choque com as forças do governo, disse a polícia.

Já na cidade de Tregam, ao norte de Srinagar, manifestantes jogaram pedras contra os policiais, furiosos porque o governo impedia que os muçulmanos fossem rezar nas mesquitas na primeira sexta-feira do Ramadã, mês sagrado islâmico. Forças de segurança atiraram nos manifestantes, matando um adolescente e ferindo outras seis pessoas.

Na capital Srinagar pelo menos cinco pessoas foram feridas a tiros e hospitalizadas, enquanto em outras cidades pequenas da Caxemira indiana 14 pessoas foram feridas nos tumultos, disse a polícia.

Tudo o que sabemos sobre:
ÍndiaCaxemiraprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.